A rodovia do Vale: acesso da BR-470 a Indaial e Timbó é o foco para entrega ainda em 2020

A série de reportagens “BR-470: A rodovia do Vale”, produzida pela da NDTV e que acompanha as obras de duplicação da rodovia federal, mostra o andamento das obras no Lote 4, o último da obra, que vai de Blumenau a Indaial.

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó – Foto: Moisés Stucker/NDTV

É a principal rodovia que corta a região, por onde escoa a economia do Vale do Itajaí. No Lote 4, o foco é a conclusão do viaduto de acesso a Indaial e Timbó, para que a entrega possa ser feita ainda neste ano.

O local é um dos mais movimentados da BR-470. Comerciantes e moradores de Indaial e Timbó convivem diariamente com as obras de duplicação da rodovia, que devido ao grande fluxo de veículos impõe, além do trânsito, um constante risco de acidentes.

No Lote 4 as obras começam no Km 57, em Blumenau, e vão até o município de Indaial, no Km 73. Os trabalhos se concentram em áreas pontuais e o principal foco é o término do viaduto de acesso a Indaial e Timbó.

No início de 2020, o superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Ronaldo Carioni, havia previsto a entrega das obras em Indaial para o mês de agosto. Já estamos em setembro e o local mostra que ainda há bastante trabalho pela frente. Segundo o superintendente, uma nova data está prevista para a conclusão das obras no local, que seria ainda no final deste ano.

“O acesso de Indaial estamos avançando, porque é um acesso a um município e a gente quer entregar o mais rápido possível. A gente está com esse intuito de sempre trabalhar, porque é assim que os recursos vão se esvaindo e que o governo coloca mais recurso. Então, quanto a recurso, a gente não tem que se preocupar, eu já falei pra minha equipe, porque trabalhando a gente consegue avançar e os recursos vêm”, afirma Carioni.

Atraso

Apesar do otimismo de Carioni, o motivo do atraso, de acordo com o próprio Dnit, é financeiro. Até agora já foram investidos R$ 93 milhões  por aqui, mas parece que a quantia não foi suficiente para o término da obra. Fato que mobilizou o ministério dos transportes a empenhar mais R$ 15 milhões e nesse meio tempo, entre aprovação e liberação de verba, quem paga o preço é a população. Os transtornos do atraso atrapalham os comerciantes. Maria Lúcia dos Santos, proprietária de uma padaria ao lado do viaduto, já não aguenta mais tanta poeira no local:

“(Tem) Bastante transtorno pelo fato do trânsito aqui na frente, o fluxo é muito intenso e prejudica um pouco, porque tem a poeira também, a sujeira, é muito carro passando o dia todo. Mas estamos aí, esperando que isso logo acabe, porque está demorando bastante. A esperança é que depois que tudo isso terminar vai melhorar, né, vamos ver se vai terminar logo”.

Veja imagens da obra em Indaial:

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó - Moisés Stucker/NDTV
1
4

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó – Moisés Stucker/NDTV

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó - Moisés Stucker/NDTV
2
4

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó – Moisés Stucker/NDTV

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó - Moisés Stucker/NDTV
3
4

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó – Moisés Stucker/NDTV

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó - Moisés Stucker/NDTV
4
4

Foco da duplicação da BR-470 no Lote 4 é o acesso aos municípios de Indaial e Timbó – Moisés Stucker/NDTV

A Associação Comercial e Industrial de Blumenau (Acib) também cobra agilidade dos responsáveis pelo processo de duplicação da rodovia. O vice-presidente da entidade, Renato Medeiros, avalia que o gargalo provocado pela defasagem na estrutura da BR-470 ainda impede o pleno desenvolvimento de Blumenau.

“Nós fomos o maior polo têxtil do Brasil, tínhamos o maior sindicato têxtil da América L, mão de obra abundante, mas os modelos também se esgotam. Hoje nós temos o metal-mecânico muito forte e só não somos mais fortes pelo gargalo logístico que nós temos. O Vale do Itajaí está trancado aqui e nós precisamos achar a saída. Temos a Jorge Lacerda um pouco travada, que passa no meio das cidades, e temos a BR-470, que é o nosso desafio, mas nós todos precisamos abraçar essa causa, Blumenau vai ser mais atrativa com acesso melhor aqui para a nossa região”, conclui.

>> Confira a primeira reportagem da série BR-470: A rodovia do Vale

Esta matéria é um oferecimento de: FIESC, OAB, CODEIC, CDL, ACIB, AMPE e Intersindical Patronal.


Leitores On Line