A história por trás da fotografia premiada que estampa o WikiAves

Contabilista Douglas Fernando Meleti fez uma viagem em busca de um sonho e o registro venceu o Photo Nature Brasil. Registro do alinhamento perfeito dos flamingos-chilenos faturou o prêmio com a foto “Três em dois”

Por trás de um registro de natureza, muitas vezes, habita um sonho. Quando observadores compartilham as fotos que fizeram divulgam também o resultado de anos de estudo, tempos de preparo e, às vezes, grandes aventuras. Este o caso da imagem premiada como campeã do concurso Photo Nature Brasil 2020 que também estampa o maior banco digital brasileiro voltado aos registros de observadores de aves, o WikiAves.
O dono da foto é Douglas Fernando Meleti, contabilista e “passarinheiro” de longa data que guardava em si um anseio profundo. “Desde a infância fiquei encantado com a beleza do flamingo quando o vi na televisão. Ficava sonhando e pensando como seria ver esta ave que é tão enigmática, de andar elegante, de beleza única, em seu habitat natural”, recorda ele.
Flamingo-chileno pode ser encontrado no Brasil durante determinados períodos do ano em locais com a presença de lagos e lagoas salinos e alcalinos rasos

A vontade impulsionou a busca. Há 10 anos, quando iniciou a prática de viajar pelo Brasil com o objetivo de observar as aves, as conquistas também se tornaram estímulos para o grande sonho. “Fui para Amazônia encontrar o raro e famoso galo-da-serra, fui para o Nordeste atrás de algumas ave endêmicas, mas o flamingo continuava lá, no fundo das esperanças de um algum dia poder ir no local em que é mais fácil de encontrá-lo: no Parque Nacional da Lagoa do Peixe, em Tavares (RS)”, conta ele.
Como o contabilista vive em Franca, no interior de São Paulo, companhias e um “empurrãozinho” foram suficientes para partir nessa expedição. No início de 2019, ele e mais dois amigos se engajaram na empreitada e embarcaram cedo até o destino. “O coração já não aguentava mais a emoção! Pela primeira vez na vida, eu estava justamente na região onde é possível encontrar os flamingos e a vontade de ir logo atrás era tanta que mal consegui dormir à noite”, confessa o contabilista.
Aves migratórias e outras espécies exclusivas de ecossistemas litorâneos são conservados no Parque Nacional da Lagoa do Peixe
Douglas Fernando Meleti/VCnoTG
No dia seguinte, antes mesmo do sol aparecer, os aventureiros já estavam equipados e preparados para o encontro. Paciência e uma visão atenta foram necessárias durante a espera, mas as aves apareceram! “Muito ao longe, dentro do pampa, em uma pequena lagoa isolada, vimos pontos rosas bem pequeninos. Era um pequeno grupo de apenas 12 aves! Vestimos as botas longas, devido ao solo ser muito úmido, e percorremos um trajeto de aproximadamente 400 metros, que demorou uma hora e meia para atravessar”, conta o observador.
Na água rasa da Lagoa do Peixe, presas como peixes, anfíbios, répteis e invertebrados são capturados por aves como o cabeça-seca

Quando se aproximaram o suficiente das aves, os disparos das câmeras começaram incessantes. “Que coisa mais maravilhosa é este bicho: esbelto, de andar sincronizado, de cor única (um rosa que, conforme a luz, chegam ser quase vermelho)”, descreve ele. As aves flagradas são flamingos-chilenos (Phoenicopterus chilensis), uma espécie que habita o Peru, o Chile, a Bolívia e a Argentina e, entre abril e novembro, migra regularmente para o Sul do Brasil. Na travessia, às vezes, alguns indivíduos podem até se perder do bando e ir parar em outras localidades.
Movimentos ritualizados de cabeça e asas e vocalização bem alta são características comuns de serem observadas nos flamingos-chilenos

Como a espécie se alimenta de invertebrados aquáticos, sementes e algas, encontram esses recursos em água rasa e lama. Ambientes como o que Douglas teve que percorrer no dia seguinte, mais uma vez, para se aproximar das aves migratórias. O resultado: mais de 3 mil fotos dos flamingos-chilenos. “Algumas cheguei postar em alguns sites, outras viraram quadros pela casa, mas uma em especial resolvi enviar ao concurso fotográfico nacional, o 4º Photo Nature Brasil 2020 – Seção Natureza Aves”, conta ele.
A premiação é promovida pela Associação Jauense de Ambiente e Cultura (AJAC), filiada à Confederação Brasileira de Fotografia. Especialmente na edição de 2020, mais de 3 mil fotos foram enviadas por quase 300 autores. Merecidamente, o registro e a aventura do contabilista em busca dos flamingos faturaram o prêmio de melhor fotografia de ave do ano. “Para mim foi algo incrível, mostrando que com tempo, dedicação, estudos, persistência valeu a pena cada segundo atrás desta ave de grande beleza”, conta Douglas que agora já planeja programar uma viagem ao Mato Grosso em busca de outro objetivo: a harpia!
Imagem premiada agora “estampa” a capa do maior site de postagem de registros de observação de aves do Brasil

Algumas espécies utilizam a técnica do mergulho em busca da captura das presas, como é o caso dos trinta-réis