Voluntários vão à luta para frear avanço do fogo no Pantanal

Na avaliação de especialistas, o ritmo das ações do governo federal para conter os incêndios indica demora e uma oferta de recursos e infraestrutura incompatíveis com o tamanho da devastação. Por outro lado, ONGs (Organizações Não Governamentais) e voluntários agem para frear o avanço do fogo na região.

ONGs trabalham tanto para conter as chamas quanto para resgatar animais feridos e providenciar alimentos aos que conseguiram sobreviver – Foto: Chico Ribeiro / Divulgação

Somente no Parque Estadual Encontro das Águas, que abriga grande concentração de onças-pintadas, a destruição alcançou 85% dos cerca de 108 mil hectares, segundo cálculos do Instituto Centro de Vida, que monitora queimadas no País. Fundamental para a preservação do felino, a área atrai milhares de turistas ao Pantanal todos os anos.

O descompasso entre Brasília e o fogo estava evidente há semanas para ONGs, especialistas e voluntários. Professor do Instituto de Biociências da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), Thadeu Sobral avalia que uma parcela importante do trabalho de contenção não foi assumida pelo poder público. “O que a gente sente é que quem toma a liderança dessas questões são o terceiro setor e as universidades. Temos vários amigos na linha frente de combate ao fogo. Precisamos entender o que ele está causando na biodiversidade e não temos visto os governantes sentados para conversar”, reclama.

No Pantanal, ONGs trabalham tanto para conter as chamas quanto para resgatar animais feridos e providenciar alimentos aos que conseguiram sobreviver. A ONG Panthera tem uma fazenda de cerca de 10 mil hectares. Da área, cerca de 6 mil hectares são acessíveis e poderiam ser poupados do fogo para servir de moradia para a fauna. Cerca de metade desta parte foi salva, o que para a entidade foi uma vitória.

“É um pouco complicado avaliar se (o Estado) foi eficiente. Foi um incêndio nunca antes visto. Quanto mais aparato estatal, bombeiros, Exército, ICMbio (órgão do Ministério do Meio Ambiente responsável pelas unidades de conservação), melhor seria. Mas as linhas de fogo de quilômetros eram situação em que não se tinha muito o que fazer”, pondera Fernando Tortato, pesquisador da Panthera.

Juntar esforços

Outros integrantes de ONGs são mais enfáticos. “Temos o pior incêndio de todos os tempos e o que o governo faz para mitigar? São as ONGs que precisam construir postos anti-incêndios? Não são, mas, como vemos que não tem apoio, vamos juntar os esforços e criar”, afirmou Raquel Facuri, diretora da Ampara Animal.

Entre pantaneiros que buscam minimizar as consequências das queimadas que afetaram 15% do Pantanal, há um argumento de que o bioma é resiliente e, por isso, dentro de um ou dois anos, tudo estará de volta no seu devido lugar. “A quantidade de chuva que veio de julho do ano passado até agora foi muito pouca, colocou pouca água dentro do Pantanal. A gente nunca espera uma coisa (as queimadas) desse tamanho”, afirmou Ivan Costa, presidente da Adepan (Associação de Defesa do Pantanal), entidade que reúne os produtores.

Biólogos afirmam que ainda é cedo para descartar impactos e, caso eles ocorram, pode haver severo desequilíbrio no ecossistema. Como exemplo, o professor da UFMT Victor Landeira destaca que o fogo deixa pelo caminho nutrientes que deveriam estar presos à vegetação. Com as chuvas, o material vai parar dentro de rios e alagados, criando outra vegetação que tomará o oxigênio que deveria ser dos peixes. “O Pantanal pode vir a ter uma cara diferente nos próximos anos.”

Eduarda, uma guerreira em defesa das onças

A guia turística Eduarda Fernandes, de 20 anos, tem o rosto de uma onça-pintada tatuado no antebraço esquerdo. É a espécie que apresentava com mais entusiasmo a grupos de viajantes nas margens dos rios do Pantanal. No combate ao incêndio, nos últimos meses, a jovem despontou como uma liderança que traduz a importância do trabalho desempenhado por voluntários na linha de frente da defesa do patrimônio natural.

De Cuiabá, Eduarda vive e acompanha o Pantanal desde os 15. Especializou-se na prestação de serviços a turistas e, neste ano, viu-se obrigada a agir em defesa da região que a conquistou. Ainda em julho, procurou autoridades locais em busca de ajuda para tomar providências em defesa dos animais que começava a ver mortos nas redondezas.

A resposta não foi eficaz. Decidiu, então, agir por conta própria. Começou a acionar ONGs e voluntários de várias partes do País, até perder as contas de quantas organizações e pessoas conseguiu mobilizar.

A pousada do namorado, João Paulo, virou uma base para alojar voluntários e oferecer os primeiros socorros a animais feridos. “O governo precisa de tempo para se organizar, tem muita burocracia. Eu nunca tinha feito isso antes, até porque nunca tinha visto uma situação dessas. Vi os animais queimados e senti que alguém precisava fazer alguma coisa”, contou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line