O presidente Jair Bolsonaro

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}
Jorge William/Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro

Após ser questionada pela recente fala do  presidente
Jair Bolsonaro, que nesta semana declarou não poder “obrigar ninguém a tomar vacina”, a cientista-chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, disse nesta sexta-feira (4) que “vacinas são intervenções que salvam vidas”. Ela destacou ainda que é preciso oferecer “mais educação” e “mais informação” sobre o tema para a população.

Leia também

  • Bolsonaro contraria lei que assinou ao dizer que vacina não é obrigatória
  • Secom faz propaganda com frase de Bolsonaro contra obrigatoriedade da vacina
  • “Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”, diz Bolsonaro a apoiadora; veja

“Nós esquecemos o que é varíola, esquecemos o que é morrer de sarampo. (…) É graças às vacinas que não vemos mais essas doenças”, afirmou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanon, afirmou que as vacinas foram as únicas ferramentas totalmente eficazes para conter doenças mortais.

“As pessoas podem se informar a respeito de como o mundo utilizou as vacinas para diminuir a mortalidade em crianças menores de cinco anos, de como conseguiu a erradicação da varíola. Observem como as vacinas mudaram o mundo”, disse Tedros.

Tedros lembrou ainda como a vacina conseguiu conter a epidemia de Ebola na África recentemente. Em relação à vacina contra o novo coronavírus, o diretor-geral afirmou que há um bom número de vacinas promissoras. “Mas elas apenas serão utilizadas quando forem seguras e eficazes, é isso que eu gostaria de assegurar ao mundo”, disse.

    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘loading‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}