União e BNDES avaliam vender 214 milhões de debêntures da Vale

A União e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) avaliam vender até 214,3 milhões de debêntures participativas de emissão da mineradora Vale. O Bradesco BBI foi selecionado para figurar como coordenador líder na estruturação, distribuição e liquidação de potencial operação, disse a BNDESpar em nota na noite de quinta-feira (10).

O comunicado confirma reportagem da revista Veja, de que o BNDES iniciou reuniões para vender os chamados direitos de exploração da Vale.

“Ressalvamos, contudo, que a realização da potencial transação ainda se encontra em estudos para detalhar seus termos e condições, incluindo a quantidade de debêntures objeto da transação e o seu cronograma”, disse a BNDESpar.

A operação ainda depende de deliberações dos órgãos societários do BNDES e da BNDESPar, assim como das condições de mercado existentes no momento do lançamento, acrescentou.

De acordo com o comunicado, das até 214,3 milhões de debêntures que poderão ser envolvidas na operação, 141,7 milhões são detidas pela União e o restante pelo BNDES e pela BNDESPar.

Em abril de 1997, ano de privatização da mineradora, a companhia emitiu e distribuiu a seus acionistas 388,6 milhões de debêntures participativas não conversíveis em ações, sendo que cada uma correspondia a cada ação, ordinária ou preferencial, detida pelo acionista na época da emissão desses títulos, segundo informação no site da Vale.

A nota informa ainda que formarão também o consórcio de coordenação da venda o Citibank, JPMorgan e Itaú BBA.

Segundo a revista, que não informou o total de debêntures que poderiam ser vendidas, o valor esperado das notas de crédito é de R$ 2,5 bilhões, e a expectativa é de que a venda seja concluída até o final do ano.