Um em cada cinco eleitores brasileiros tem mais de 60 anos

O percentual de idosos nas eleições deste ano é o maior desde 1992. Eles terão horário preferencial para votar, um cuidado extra por causa da pandemia do coronavírus. Um em cada cinco eleitores brasileiros tem mais de 60 anos
O percentual de idosos nas eleições deste ano é o maior desde 1992. Um em cada cinco eleitores tem mais de 60 anos.
Oitenta e cinco anos e uma vida cheia de atividades, compromissos. Um deles está marcadinho na agenda: dia 15 de novembro Dona Perpétua quer participar novamente de uma eleição.
“Eu acho que é cidadania. É bom porque tem eleição, eu gosto de participar. Eu fico só dentro de casa. Quer dizer, vai ter muita máscara, tem que usar máscara, o álcool constantemente. Vai ser muito bem fiscalizado, eu acho”, diz a aposentada Perpétua Ruggio.
As eleições deste ano vão ter várias medidas sanitárias para proteger todos os eleitores da Covid. Só os considerados idosos formam um contingente com mais de 30 milhões de eleitores. A maioria tem entre 60 e 69 anos.
O grupo menor, dos que já passaram dos 70 anos, ultrapassa os 13 milhões de eleitores. Para essas pessoas, o voto não é obrigatório, apenas facultativo.
Para evitar aglomeração, este ano o eleitor vai ter uma hora a mais para votar: das 7h às 17h, e um horário especial para quem tem mais de 60 anos.
O TSE definiu o horário entre 7h e 10h como preferencial para votação dos idosos. E só não houve a determinação de horário exclusivo porque muitas dessas pessoas só conseguem chegar à seção na companhia de um parente mais jovem.
“Nós concentramos as pessoas de mais de 60 anos nas três primeiras horas de votação, entre 7 e 10, primeiro para minimizar o risco de fila para essas pessoas. Segundo, porque as pessoas com mais de 60 anos normalmente já são pessoas que tomam maiores cautelas e convivem menos com as pessoas que estão fora do grupo de risco. De modo que a simples separação de um horário específico já é uma proteção relevante”, diz o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.
A Justiça Eleitoral avisa que o uso de máscara é obrigatório no local de votação. E vai fornecer álcool em gel para higienização das mãos, antes e depois do uso da urna.
O aposentado Antônio dos Reis, de 77 anos, está contando com hora e dia de juntar máscara com título e partir para urna. Para ele, cada voto pode ser decisivo.
“Pensando nos meus netos, nos meus filhos, nos filhos dos meus amigos. Eu faço questão de votar, para ver se meu candidato seja eleito e dê uma resposta. Que se ele não der uma resposta, eu tenho o direito de cobrar”, afirma.