Trump ameaça cancelar isenção tributária de escolas para forçar reaberturas


Escolas pesam risco de abrir instalações, já que nesta semana os casos da doença passaram de 3 milhões no país. Algumas universidades anunciaram planos de aulas exclusivamente virtuais, e outras ponderam opções como mudanças no calendário letivo. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, participa de evento no Iglesia Doral Jesus Worship Center em Doral, na Flórida, na sexta-feira (10)

Na tentativa de forçar distritos escolares e universidades a reabrirem apesar do coronavírus, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira (10) que o Departamento do Tesouro reexaminará seus status e financiamentos livres de impostos.
Trump já ameaçou cortar seu financiamento federal e pretende expulsar universitários estrangeiros.
Veto de Trump a estudantes estrangeiros impõe dilema às universidades americanas
“Muitas universidades e sistemas escolares são a favor da doutrinação radical de esquerda, não da educação”, escreveu o republicano nesta sexta-feira em um tuíte que deve agradar sua base conservadora.
Ele acusa os democratas de explorarem a pandemia para fins políticos ao se recusarem a reabrir escolas e negócios, apesar de especialistas de saúde alertarem para os perigos de se relaxar restrições rápido demais.
“Portando, estou orientando o Departamento do Tesouro a reexaminar seus status e/ou financiamentos isentos de impostos, que serão retirados se esta propaganda ou ato contra as políticas públicas continuar. Nossas crianças precisam ser educadas, não doutrinadas!”
O governo Trump está pressionando as escolas para que retomem as aulas presenciais no momento em que os casos do novo coronavírus aumentam em algumas das áreas mais populosas do país, o que levou algumas delas a recuarem dos planos de afrouxamento das restrições.
Administradores de escolas estão pesando o risco de abrir suas instalações para estudantes do ensino primário e secundário e funcionários, já que nesta semana os casos da doença passaram de 3 milhões no país. Algumas universidades anunciaram planos de aulas exclusivamente virtuais, e outras ponderam opções como mudanças no calendário letivo.
Ainda nesta semana, Trump ameaçou cortar os fundos federais de escolas que não abrirem as portas.

Com Agências