‘Tivemos que demitir parte dos funcionários’, diz sócio de bar após reabertura

Sócios fizeram consultoria para adequar espaço de acordo com protocolos de segurança, definidos pela prefeitura de São Paulo. Faturamento chegou a cair cerca de 80%. Depois de quase seis meses, o bar Kaia voltou a receber os clientes dentro da casa no final de agosto, na esperança de recuperar o faturamento, que chegou a cair cerca de 80% desde o início da pandemia.
“Delivery nunca foi uma solução lucrativa, ele só fez com que a gente não perdesse o foco”, diz um dos sócios do bar, Younes Bari.
Entrevista com Younes Bari
O G1 está acompanhando as histórias de empreendedores que estão tentando sobreviver à crise provocada pela pandemia do coronavírus e pelo fechamento dos negócios necessário para conter a disseminação da doença. Veja aqui o que os mesmos empresários contaram em abril; o que disseram em maio; em julho; e os novos depoimentos este mês:
Expectativas, demissões, crédito, faturamento baixo e portas fechadas: como estão os empresários cinco meses após o início da pandemia
Irenildo Queiroz: Ano foi ‘um desastre’ para os negócios
Bruno Bernardo: ‘Estamos com esperança de dias melhores’
Pedro Roxo: ‘Chegamos no limite do nosso planejamento e tivemos que fechar a empresa’
Claudia Mendes: ‘Salvação da lavoura’ foi empréstimo do governo
Além do sistema de entregas por aplicativo, para sobreviver à pandemia, eles montaram uma ‘barricada’ na frente do bar para vender lanches. Porém, as duas alternativas não estavam compensando a operação.
“Tivemos que demitir parte dos funcionários, porque não estávamos com recursos para alimentar todos esses meses parados”, diz Younes.
Foram desligados do Kaia três dos sete funcionários registrados em carteira. Todos eles ficaram em casa durante três meses participando do Benefício Emergencial, programa do governo que permite redução proporcional de jornada e salário.
Os empregados que permanecem na empresa já retornaram ao trabalho.
Consultoria
Para reabrir, Younes e seus dois sócios contrataram uma consultoria para adequar o espaço e treinar os funcionários, de acordo com os protocolos de segurança definidos pelo governo municipal de São Paulo.
Algumas das regras são, por exemplo, a ocupação máxima de 40% da capacidade do estabelecimento, e distância de 2 metros entre as mesas e de 1,5 metro entre as pessoas.
“Agora nós temos a expectativa de equilibrar um pouco o faturamento. Nós estamos em um período difícil, que é o período do fim do ano. Então, a gente precisa chegar lá com bastante recurso”, diz Younes, sobre a expectativa de reabertura.
O Kaia voltou a funcionar com as portas abertas no dia 28 de agosto.

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line