Teich, que deixou o comando do ministério da saúde em maio, diz que retomada econômica é feita de maneira descoordenada no Brasil
Teich, que deixou o comando do ministério da saúde em maio, diz que retomada econômica é feita de maneira descoordenada no Brasil

O ex-ministro da saúde, Nelson Teich
, avalia como “confuso” o plano de retomada econômica no Brasil. Em texto publicado no O Globo
, o oncologista diz estar preocupado com a falta de coordenação central e de estratégia para uma reabertura segura dos serviços.

“O modelo atual para liberar a economia pode acabar em inúmeras idas e vindas, onde a mesma coisa é feita repetidas vezes na ilusão
de que, em algum momento, vai funcionar. É quase a espera de um milagre”, disse Teich.

De acordo com ele, o Brasil precisa de um programa nacional de distanciamento, coordenado pelo Ministério da Saúde. O oncologista defende também a participação de pesquisadores e epidemiologistas para traçar os planos estratégicos — o Ministério da Saúde é comendado interinamente por um militar, Eduardo Pazuello
, considerado por Bolsonaro “um bom gestor”.

“Estamos correndo contra o tempo. Quanto mais longa a quarentena, mais difícil vai ser administrar as consequências
do impacto da covid-19 na saúde, na economia e no comportamento das pessoas”, afirmou.

Teich deixou o comando da pasta em maio (15), após discordar de Bolsonaro sobre o distanciamento social e o uso da cloroquina
— medicamento sem eficácia comprovada no tratamento da Covid-19.