Secretarias de Educação ouvem os pais de alunos e profissionais da educação

Sem previsão

Secretarias de Educação ouvem os pais de alunos e profissionais da educação

Ainda sem data definida para o retorno das aulas presenciais, as Secretarias de Educação dos municípios da Amunesc iniciaram uma pesquisa com pais de alunos e com os profissionais da educação para conhecer o cenário diante da suspensão das aulas presenciais. A sondagem tem como objetivo subsidiar com informações participativas a tomada de decisão dos gestores no planejamento das próximas ações.

a

São dois formulários diferentes, um voltado aos pais e responsáveis pelos alunos, e outro voltado aos profissionais da educação. Uma das perguntas centrais questiona se o aluno ou profissional pertence ao grupo de risco para Covid-19 ou se possui alguém no grupo familiar que pertença. No formulário direcionado aos pais também há sondagens sobre os dispositivos e métodos utilizados pelos alunos para o acesso às atividades pedagógicas não-presenciais, e questionamentos sobre o sistema híbrido de ensino.

De acordo com a coordenadora do Colegiado de Educação da Amunesc e Secretária de Educação e Cultura de Garuva, Monise Nagel, a participação dos pais é de suma importância nesse momento. “Essa pesquisa avaliará a opinião da comunidade sobre o retorno das aulas e isso é muito importante para termos documentos sobre a avaliação dos pais e responsáveis nesse momento”, destacou.

Segundo a Secretária de Educação de Joinville, Sônia Fachin, “o objetivo é pensar a região para desenharmos as possibilidades. Estudamos os protocolos juntamente com a saúde semanalmente e entendemos que o retorno deve acontecer no momento oportuno, quando for seguro. Não há condições neste momento. Não tem cenário para se voltar à atividade”, destacou.

Sem previsão

Reunidos em encontros semanais por videoconferência, os Secretários de Educação declaram unanimidade: o retorno não deve acontecer em 3 de agosto, conforme previsão inicial do Governo do Estado. Além da pandemia provocada pelo Novo Coronavírus estar em pico ascendente no estado e da alta ocupação dos leitos na região, as destruições provocadas pela passagem do ciclone bomba também dificultam o processo.

Uma possível nova data para o retorno será avaliada pelos gestores da educação em conjunto com a saúde. O tema já está em discussão na Comissão Regional para Combate e Enfrentamento à Pandemia do Novo Coronavírus na Macrorregião Planalto Norte e Nordeste.

Com Agências