Salles defende fazendeiros do Pantanal e diz que bois previnem fogo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse a senadores que a prática da pecuária reduziria os incêndios no Pantanal. As declarações foram feitas na manhã desta 3ª feira (13.out.2020) à comissão do Senado que acompanha o combate ao fogo no bioma.

Na semana passada, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, deu declaração semelhante na mesma comissão. Na oportunidade, ela afirmou que “o boi é o bombeiro“.

“Grande parte desses incêndios não decorre de ações de produtores rurais”, disse o ministro do Meio Ambiente. “A principal causa é a questão do clima quente, seco, ventos fortes”, afirmou ele.

Salles defendeu ainda a realização de queimadas controladas para reduzir a disponibilidade de massa orgânica seca, que alimenta os incêndios. O raciocínio sobre a pecuária é semelhante: os bois comem o capim que poderia alimentar as chamas.

“Há medidas que nós podemos e continuaremos fazendo para não só prevenir. E, para isso fazer os aceiros, permitir a criação de gado no Pantanal como forma de reduzir a massa orgânica, permitir que seja feita a queima controladas”, disse Salles aos senadores.

Salles também disse que é necessário usar retardante de fogo, 1 produto químico, para ajudar no combate às chamas.

Segundo Salles, é necessário “prestigiar e a apoiar aqueles que fazem boas práticas”. O Ministro afirma que 1 ambiente muito restritivo pode inviabilizar a atividade econômica no local. No raciocínio do ministro, o impedimento da atuação de fazendeiros reduziria as possibilidades de vida da população e estimularia mais desmatamento.

Ele também elogiou a participação dos Estados do Mato Grosso do Sul e do Mato Grosso no combate ao fogo. Afirmou que estuda a possibilidade de estruturar uma base permanente de monitoramento dos incêndios e uma brigada entre os Estados.

“Lembrando que as áreas de competência do governo federal se referem às unidades de conservação, terras indígenas e assentamentos que somam apenas 6% do bioma. Os outros 94% são de jurisdição dos Estados”, declarou o ministro.

Questionado pela senadora Simone Tebet (MDB-MS), que sugeriu que o Pantanal seja incluído no Conselho da Amazônia até 2025, ele disse que não é necessário incluir o bioma na área de atuação do conselho, comandado pelo vice-presidente general Hamilton Mourão, para que as Forças Armadas atuem no combate ao fogo.

“O emprego das Forças Armadas se dá com decreto presidencial, não se faz no âmbito do Conselho da Amazônia”, afirmou Salles. “Fato esse que aconteceu, as Forças Armadas estão no Pantanal”declarou.

Assista à íntegra (1h26min) da participação de Salles na audiência:

QUEIMADAS

Dados divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e pelo Ministério do Meio Ambiente apontam que o total de queimadas que atingiram os diversos biomas brasileiros, em 2020, é 1% maior do que em 2019.

O valor corresponde à área total. Locais como o Pantanal tiveram mais que o dobro de destruição entre 1 ano e outro. Outros apresentaram redução, como na caatinga, em que as queimadas atingiram uma área 38% menor, na comparação com 2019.

O Pantanal teve o pior resultado entre os biomas brasileiros, em 2020. Os incêndios registrados de janeiro a setembro do ano passado consumiram 12.948 km². Neste ano, foram 32.910 km² nos últimos 9 meses. Só a destruição no Pantanal é equivalente à 1,5 vezes a do Estado de Sergipe.v