Não é de hoje que as pessoas estão preferindo cuidar de problemas de saúde através de tratamentos naturais. Com os pets isso não é diferente e, de acordo com a veterinária Roseli Berto Sabaddini, já é uma prática que vem de muito tempo. Por isso é importante ficar atento a quais tratamentos naturais podem podem ser usadas e quais são extremamente proibidas para a saúde do seu bichinho.

Leia também

  • Setembro vermelho: saiba quais doenças cardiovasculares podem atingir seu pet
  • 6 dicas de cuidados especiais para se ter com os pets no frio
  • Leishmaniose nos pets requer atenção durante a pandemia

O uso desses produtos naturais é chamado de filoterapia. Ele costuma ser empregado principalmente por causar menores efeitos colaterais, o que auxilia muito nos cuidados com os pets. Porém, a veterinária Angelica Pimentel Vargas atenta que a maneira de utilização desses produtos, assim como o ajuste de doses e a via de administração, precisam ser prescritos por um veterinário.


Cão e remédio

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}
Shuttersock

Remédios naturais podem ser dados aos pets?

Abaixo, a especialista indica produtos como plantas medicinais, frutas, verduras e legumes que podem ser oferecidas aos bichinhos. Ela fala também sobreaquelas que você não deve fornecer de jeito nenhum.

Permitidos

  • Valeriana – possui propriedades calmantes, auxilia nas dores, inflamações e também no relaxamento muscular do animal.
  • Arnica Montana – usada de forma tópica, atua como anti-inflamatório e auxilia na diminuição de inchaços.
  • Camomila – atua em problemas digestivos (estomacais e intestinais) e como calmante natural.
  • Boldo – utilizado para problemas relacionados ao fígado, aliviando vômitos e enjoos.
  • Cúrcuma (Açafrão da terra) – anti-inflamatório natural, eficaz em dores articulares, antioxidante, e ainda em estudos, pode atuar como anticancerígeno. Além disso, estimula regeneração muscular. 
  • Citronela, limão, e cedro – repelentes naturais contra insetos.
  • Lavanda – auxilia no relaxamento, repele insetos e alivia o estresse.
  • Cardo mariano (Silimarina) – excelente reparador e regenerador de células hepáticas.
  • Gramíneas – a espécie “Cynodon”, auxilia no desconforto intestinal do pet.
  • Menta (hortelã) – auxilia no processo digestivo e mantém uma boa respiração.
  • Salsa (salsinha) – rica em vitaminas (C e ferro), ajuda no sistema imunológico e auxilia no mau hálito.
  • Banana, maçã, manga, melancia – por possuírem bastante nutrientes e vitaminas as frutas podem ser oferecidas em pequenas quantidades (como petiscos).
  • Brócolis e cenoura – ricos em fibras, são grandes aliados para o bom funcionamento intestinal.
  • Abóbora – rica em radicais livres, ajudando a fortalecer o organismo.
  • Óleos essenciais – por possuírem um olfato apurado, a aromaterapia funciona muito bem para os cães funcionando bem em difusores, mas desde que possuam um odor suave.

Proibidos

  • Hibisco – folhas e flores são tóxicas, podem causar náuseas, vômitos e diarréias.
  • Beladona – possui componentes tóxicos que podem causar problemas de pele, deixar a boca seca, além de confusão mental e aumento da frequência cardíaca.
  • Chá verde, chá preto, chimarrão – por possuírem grande quantidade de cafeína podem ser prejudiciais ao bem estar do animal.
  • Alho e Cebola – causam danos importantes nas hemácias, podendo levar o animal a óbito.
  • Violeta genciana – conhecida como anti fúngico para humanos, em contato com a pele do animal causa toxicidade.
  • Uva – totalmente proibidas, altamente tóxicas, podem levar o animal a insuficiência renal.
  • Abacate – possui uma substância chamada “Persina”, muito tóxica para cães, causando diarreia, apatia, respiração alterada entre outros sintomas.


    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘loading‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}