Reino Unido: Milhares vão às ruas em Londres para protestar contra quarentena

Mais de mil pessoas se reuniram no centro de Londres neste sábado, 19, para protestar contra as medidas de bloqueio que visam retardar a propagação do coronavírus. O protesto, que resultou em 32 prisões, ocorreu uma vez que o primeiro-ministro Boris Johnson está considerando reimpor algumas restrições em toda a Inglaterra. Na rua, os manifestantes carregavam faixas dizendo “Covid é uma farsa” e “Meu corpo, minha escolha: Não às máscaras obrigatórias”, além de cantar para a polícia: “Escolha o seu lado”. De acordo com as autoridades, os manifestantes foram ordenados a deixar a Praça Trafalgar, alegando que a manifestação estava colocando os participantes e outros cidadãos em risco. “Isso, juntamente com casos de hostilidade e surtos de violência contra os oficiais, significa que agora tomaremos medidas de execução para dispersar aqueles que permanecem na área”, disse a Polícia Metropolitana de Londres em um comunicado

O primeiro-ministro Boris Johnson, que declarou esta semana que o Reino Unido enfrenta a segunda onda do novo coronavírus, introduziu novas restrições para as regiões norte, noroeste e central da Inglaterra, as mais atingidas. Entre essas medidas, o governo introduziu a obrigação legal de auto-confinamento, a partir de 28 de setembro, para pessoas que testam positivo ou se solicitado pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS). “A melhor maneira de combater o vírus é que todos sigam as regras e isolem as regras se correrem o risco de transmitir o coronavírus”, disse o primeiro-ministro em um comunicado. “Ninguém deve subestimar a importância dessas medidas, as novas regras significam que elas são legalmente obrigadas a aplicá-las se foram infectadas ou solicitadas pelo NHS”, acrescentou. Organizadores de protestos anticonfinamento anteriores foram multados em até 10 mil libras (cerca de 69 mil reais).

O país pede às pessoas que testam positivo se autoconfinarem por 10 dias, enquanto aqueles que vivem com alguém que é positivo ou tem sintomas devem ficar por 14 dias. Se as regras forem quebradas, eles aplicarão multas que variam de 1 mil a 10 mil libras. Para promover o cumprimento dessas normas, as pessoas de baixa renda poderão receber assistência de 500 libras se não puderem trabalhar no teletrabalho durante a quarentena. De acordo com as leis introduzidas para retardar a propagação da infecção, as pessoas na Inglaterra não podem se reunir em grupos de mais de seis. Há isenções para protestos políticos, mas apenas se os organizadores seguirem as diretrizes para reduzir o risco de propagação da doença.

A Grã-Bretanha sofreu com mais de 41 mil mortes relacionadas à covid-19. Os testes nacionais para a doença não acompanharam a demanda desde que as escolas reabriram este mês. O aumento do número de casos em partes da Escócia, País de Gales e norte da Inglaterra já levou a restrições locais de pessoas que convidam amigos para suas casas e reduziram o horário de funcionamento de bares e restaurantes.

*Com informações do Estadão Conteúdo