Testes

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}
Rovena Rosa/Agência Brasil

Objetivo do governo britânico é aumentar o número de testes rápidos realizados

Nesta quinta-feira (3), o governo do Reino Unido informou que pretende investir até 500 milhões de libras (cerca de R$ 3,1 bilhões) no desenvolvimento de novos testes para a identificação da Covid-19
. O objetivo é realizar testagens em massa com procedimentos rápidos e fáceis de usar.

Leia também

  • Coronavac já foi aplicada em 100 voluntários do interior de SP
  • OMS recomenda uso de corticoide para tratar a Covid-19
  • Saúde nega obrigação e diz que vacina é instrumento de “volta a normalidade”

Segundo informações da agência de notícias France Presse, o Ministério da Saúde britânico divulgou os valores do investimento em um comunicado que pretende levar o país ao “próximo nível” em sua política de detecção do novo coronavírus
(Sars-Cov-2).

Para isso, a ideia é que sejam feitas testagens
mais regulares e abrangentes, o que garantira a detecção precoce da doença e facilitaria o diagnósitoc e posterior tratamento, reduzindo as possibilidades de casos mais graves da Covid-19.

“Ser capaz de expandir o diagnóstico
em massa com novas tecnologias é um grande passo”, afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock, em entrevista ao canal Sky News. Atualmente, o país realiza cerca de 300 mil testes por dia, valor que pretende aumentar com a inclusão dos procedimentos mais rápidos.

Ainda de acordo com a publicação, o ministro disse que os novos testes serão “rápidos, precisos e fáceis de usar” e serão uma importante arma do governo na busca pela retomada da “vida normal” após o período mais turbulento da pandemia da Covid-19
.

    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}