Queda de braço entre fornecedor e supermercado já dura 15 dias

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 05h00

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro diz que vai conversar com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e pedir sacrifício dos donos dessas redes, as empresas do ramo já travam uma queda de braço de mais de 15 dias com seus fornecedores. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra, os supermercados têm represado suas compras e vendido seus estoques para tentar negociar preços menores.

Leia Também

Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham 'patriotismo' e baixem os preços

Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham ‘patriotismo’ e baixem os preços

“Nos últimos 15 a 20 dias o varejo está discutindo preço. A palavra certa é essa mesma: queda de braço”, diz Terra. Ele explica que a pressão veio à tona agora, com o recente comunicado da Abras sobre os preços da cesta básica. Além disso, alguns supermercados já começam a restringir a compra de produtos básicos por cliente. “Como o aumento (nos preços dos fornecedores) é abrupto, há represamento da compra (dos varejistas). O varejo tenta postergar tabela de preços”, diz.

No entanto, essa briga para ver quem mais diminui suas margens de lucro deve ter pouco sucesso na formação geral dos preços. Terra avalia, como é consenso entre economistas, que a razão central dos aumentos é a alta do dólar e o consequente aumento das exportações. Somado a isso, o aumento de demanda interna causada pelo auxílio emergencial também pressiona os valores para cima. “O problema é anterior ao fornecedor e o varejista. Está nos preços das commodities”, diz.

O consultor de varejo e bens de consumo, Eugenio Foganholo, também acredita que essa negociação já nasce limitada, já que as questões que fazem os preços subirem são macroeconômicas. No entanto, ele não vê possibilidades de ação do governo para resolver essa situação. “Não há solução governamental possível no livre mercado”, diz. Ele entende que essa regulação deve ser feita pelos próprios consumidores ao substituir os produtos caros na hora da compra.

Na queda de braço entre supermercados e fornecedores, a Associação Paulista de Supermercados (APAS) disse que tem orientado os associados a comprarem apenas o necessário. “A Apas reitera que tem recomendado aos supermercados associados que continuem negociando com seus fornecedores e comprem somente a quantidade necessária para a reposição”, diz em comunicado.

A instituição afirma ainda que orienta que sejam oferecidos aos consumidores “opções de substituição aos produtos mais impactados por esses aumentos provenientes dos fornecedores de alimentos”

Notícias relacionadas
  • Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham ‘patriotismo’ e baixem os preços
  • Balança comercial registra superávit de US$ 6,6 bilhões no melhor mês de agosto em 32 anos
  • Governo pode zerar taxa de importação para o arroz, milho e soja
  • Busca por preços menores favorece marcas próprias de supermercados na crise
  • Auxílio emergencial evita crise dos supermercados, mas fim da medida preocupa o setor
Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonaroAbras [Associação Brasileira de Supermercados]alimentocommoditiesdólarexportaçãosupermercadovarejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Assine o Estadão Já sou Assinante
Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 05h00

O produtor de soja e milho Moacir Fala, que cultiva 20 alqueires em São Jorge do Ivaí, no Noroeste do Paraná, está rindo à toa. “Este ano não posso reclamar: deu para ganhar dinheiro”, diz. Ele já vendeu praticamente toda a safra de soja por um preço médio de R$ 100 a saca, 42% maior do que recebeu no ano passado, quitou as dívidas de anos anteriores e ainda sobrou dinheiro. “Não decidi o que vou fazer com o lucro, talvez investir em tecnologia para produzir mais na próxima safra.” Para o milho safrinha que acaba de colher, mas ainda não vendeu, as perspectivas também são favoráveis. Na virada do mês, a saca do grão estava em R$ 61, preço recorde.

O cenário tão favorável para o campo, com safra abundante, dólar em alta e preços valorizados em reais, não estava no radar da maioria dos produtores que faturaram. Mas isso provocou uma explosão nos preços ao consumidor e, nos últimos dias, uma queda de braço entre supermercados e fornecedores para conter o repasse de aumentos para o varejo. Até julho, o arroz, por exemplo, subiu 15,7% este ano, segundo dados do Índice de Preços ao Consumido Amplo (IPCA) do IBGE.

Leia Também

Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham 'patriotismo' e baixem os preços

Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham ‘patriotismo’ e baixem os preços

O impulso para o agronegócio veio do outro lado do mundo, sustentado pelo real desvalorizado quase 40% nos últimos 12 meses, o que atraiu compradores. A China decidiu fazer estoques estratégicos de alimentos, depois de sentir o risco de faltar comida para mais de um bilhão de pessoas por causa da paralisação provocada pela pandemia. O país também quer se resguardar de ameaças da guerra comercial com os Estados Unidos e tenta recompor a produção de carne de porco, um dos alimentos mais consumidos pelos chineses, após ter o seu plantel dizimado pela Peste Suína Africana.

A ida às compras de alimentos do gigante asiático no Brasil injetou US$ 24 bilhões no agronegócio, entre janeiro e julho deste ano, segundo cálculos da Confederação  da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com base em dados oficiais. É uma cifra recorde para o período e quase 30% maior do que a registrada nos mesmos meses de 2019. Essa voracidade nas compras de carnes bovina, suína, aves e especialmente da soja, que respondeu por 72% das aquisições no período, pressionou as cotações em reais desses produtos e já apareceu nos índices de inflação ao consumidor.

“Os chineses rasparam o tacho”, diz o economista Fabio Silveira, sócio-diretor da MacroSector, lembrando que o câmbio deixou o produto brasileiro competitivo para os chineses e este foi o grande fator de enriquecimento das cadeias produtivas do agronegócio. Nas suas contas, o ano deve fechar com US$ 35 bilhões de exportações do agronegócio brasileiro para China, dos quais US$ 26 bilhões só de soja e US$ 7 bilhões de carnes.

De janeiro a julho, o Brasil exportou para China 50,5 milhões de toneladas de soja, um volume 32% maior do que no mesmo período de 2019, diz Wagner Ikeda, analista sênior do Rabobank Brasil. “Entre 90% a 95% da safra de soja está vendida”, diz.

Esse movimento forte de compra da China levou a uma situação inusitada: o Brasil, o maior produtor mundial de soja, teve  de ampliar as importações do grão, apesar de o volume ser uma parcela minúscula comparada a safra nacional. De janeiro a julho o País importou 400 mil toneladas de soja, quatro vezes mais em relação ao mesmo período do ano passado.

“A importação de soja não muda nada”, afirma o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja, Bartolomeu Braz. Na sua avaliação, trata-se de uma jogada da indústria para reduzir o preço, que na última quinta-feira estava em R$ 127 a saca. Esse movimento de redução de preço por conta da importação não deve acontecer porque a  cotação é formada no mercado internacional. “O preço está alto porque o dólar está alto.”

Hoje 45% da próxima safra de soja que nem foi plantada está antecipadamente vendida para compradores internacionais, diz o presidente da Aprosoja. Em épocas normais, as vendas antecipadas estariam neste momento entre 20% e 25%. 

Churrasco caro

A China foi às compras também das carnes produzidas no País. Até agora, o país respondeu no ano por 49% dos volumes exportados pelo Brasil de carne suína, 41% das carnes bovinas e 17% da carne de frango, segundo Wagner Yanaguizawa, analista do Rabobank Brasil. “Os produtores com viés no mercado externo estão muito bem, estão felizes porque estão conseguindo incrementar as margens por conta da desvalorização do real.” 

No entanto, quem produz carnes para o mercado doméstico está num cenário complicado. Isso porque o preço da matéria-prima aumentou muito. Além disso, esses produtores não estão conseguindo ter os mesmos resultados dos exportadores porque o consumo doméstico patina, explica Yanaguizawa.

Nos últimos dias, a cotação da arroba do boi gordo atingiu a R$ 238,95, o maior valor em mais de 20 anos. 

Notícias relacionadas
  • Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham ‘patriotismo’ e baixem os preços
  • Governo pode zerar taxa de importação para o arroz, mGoverno pode zerar taxa de importação para o arroz, milho e sojailho e soja
  • Pedir ‘patriotismo’ ao mercado não faz sentido, dizem economistas sobre Bolsonaro
  • Índices gerais de preços podem encostar em 12% e pressionar inflação dos alimentos
  • Balança comercial registra superávit de US$ 6,6 bilhões no melhor mês de agosto em 32 anos
  • Agronegócio se descola de queda do PIB brasileiro e registra alta de 1,2%
Tudo o que sabemos sobre:

Estados Unidos [América do Norte]São Jorge do Ivaí [PR]China [Ásia]safraalimentoarrozcarnecâmbiochurrascodólarexportaçãofrangoimportaçãoindústriainflaçãomilhosojasupermercadovarejoaves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Assine o Estadão Já sou Assinante
Márcia De Chiara e Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 05h00

Com a forte demanda da China por commodities agrícolas, a consolidação do câmbio no patamar de R$ 5,30 está pressionando os preços dos alimentos para os brasileiros. Isso já faz os economistas revisarem para cima as projeções de inflação do ano e provoca uma queda de braço entre supermercados e fornecedores para tentar frear os repasses, num momento em que o consumo está fraco.

Leia Também

Balança comercial registra superávit de US$ 6,6 bilhões no melhor mês de agosto em 32 anos

Balança comercial registra superávit de US$ 6,6 bilhões no melhor mês de agosto em 32 anos

“A minha expectativa era de que a inflação ao consumidor ficasse até abaixo de 2%. Agora estou revendo para 2,3%, estou chegando no piso da meta”, diz o economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Getúlio Vargas.

O economista Fabio Silveira, sócio da MacroSector, que antes projetava inflação do ano em 2,7%, está revendo para 3,3% por causa da alta da comida. Braz observa que os preços dos alimentos no atacado subiram 15,02% em 12 meses até agosto. Os alimentos no varejo no mesmo período aumentaram 8,5%, um pouco mais da metade. “Alimento foi o grupo que mais subiu no varejo.”

Essa alta vem sendo sentida pelos supermercados que nesta semana enviaram comunicado para Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), denunciando os reajustes de preços de arroz, feijão, leite, carne e óleo de soja. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados, a alta tem sido generalizada e repassada pelas indústrias e fornecedores. “A partir do final de agosto, começamos a perceber uma elevação muito grande nas tabelas, na faixa de 20% para óleo de soja e arroz”, diz o presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Ronaldo dos Santos. Ele conta que o setor também procurou o Ministério da Agricultura para tentar retirar tarifas de importação, especialmente do arroz, de 8%. Mas a decisão do ministério, segundo Santos, foi não mexer, por enquanto na alíquota.

Santos diz que no momento não vê risco de desabastecimento e que o setor recorreu ao governo porque não quer ser responsabilizado pelas altas de preços. “Compramos e repassamos.”

Notícias relacionadas
  • Balança comercial registra superávit de US$ 6,6 bilhões no melhor mês de agosto em 32 anos
  • Bolsonaro pede que donos de supermercados tenham ‘patriotismo’ e baixem os preços
  • Índices gerais de preços podem encostar em 12% e pressionar inflação dos alimentos
  • Governo pode zerar taxa de importação para o arroz, milho e soja
  • Busca por preços menores favorece marcas próprias de supermercados na crise
  • Auxílio emergencial evita crise dos supermercados, mas fim da medida preocupa o setor
Tudo o que sabemos sobre:

FGV [Fundação Getúlio Vargas]China [Ásia]IPC [Índice de Preços ao Consumidor]Abras [Associação Brasileira de Supermercados]Ministério da Agriculturaalimentoarrozcarnecâmbioimportaçãoinflaçãosojavarejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Assine o Estadão Já sou Assinante
Leitores On Line