Quando nova era do gelo chegará à Terra? Cientista japonês explica

Imagem de um iceberg na região do Ártico

Juntamente com colegas, o pesquisador escreveu estudo sobre a influência das monções no clima e no desenvolvimento de dinossauros há dez milhões de anos.

Em particular, os cientistas usaram a teoria do engenheiro sérvio Milutin Milankovitch sobre flutuações na quantidade de luz solar e radiação na Terra por um longo tempo devido a mudanças periódicas no ângulo de inclinação do eixo da Terra em relação ao plano de sua órbita.

“Com base na teoria de Milankovitch, uma nova era do gelo chegará em 100 mil anos, mas isso depende do fator humano das emissões de dióxido de carbono”, observou o cientista japonês.

De acordo com Ikeda, “estamos agora no auge de um ciclo de dez milhões de anos com um clima frio e intenso de monções e baixas concentrações de dióxido de carbono na atmosfera”.

“Agora, e nos próximos 10 milhões de anos, pode ser um momento favorável para os organismos biológicos acostumados a um clima úmido e frio”, explicou o cientista, que acredita que a tendência de resfriamento continuará durante a atual era Cenozoica.

Pesquisas recém-publicadas por Ikeda e outros cientistas dizem que o declínio das concentrações de dióxido de carbono e o resfriamento do clima da Terra com fortes monções levaram a um aumento no tamanho dos dinossauros e sua dispersão generalizada devido a um aumento nas fontes de água e alimentos cerca de 212 milhões de anos atrás, no período Triássico da era Mesozoica.

“Como o mecanismo de Milankovitch continua atuando na história da Terra, tentaremos encontrar uma conexão entre esse mecanismo e a evolução do clima e dos ecossistemas”, opinou Ikeda.

Com isso, eles conseguiram descobrir como era o clima há dez milhões de anos durante a evolução inicial dos dinossauros, e agora a pesquisa se concentrará no impacto que o ciclo de dez milhões de anos teve na evolução não apenas dos dinossauros, mas também de mamíferos, animais e plantas.