Procon notifica 21 supermercados no 1º dia de fiscalização para evitar alta de preços do arroz e do óleo em São Paulo


Operação Preço nas Alturas compara valores de compra com os de venda de produtos da cesta básica para evitar preços abusivos praticados por comerciantes. Estabelecimentos responderão a processo administrativo e poderão se defender, segundo o Procon-SP. Procon fiscaliza preço do arroz em SP
Procon/divulgação
O Procon de São Paulo notificou 21 supermercados e estabelecimentos nesta segunda-feira (14), primeiro dia da “Operação Preço nas Alturas”. A ação apura “aumentos injustificados de preços” em itens da cesta básica, em especial do arroz e do óleo de cozinha no estado, segundo a entidade.
Os agentes do Procon-SP vistoriaram supermercados e pediram para gerentes e funcionários apresentarem notas fiscais de compra dos itens, buscando verificar eventual aumento injustificado de preços praticados nas prateleiras.
Os principais itens fiscalizados pelos agentes são o arroz (pacote de 5kg), óleo e carnes vermelhas (patinho, coxão mole, coxão duro e contrafilé).
Os maiores preços encontrados nesta segunda (14) foram de R$ 27,90 no arroz tipo 1 (pacote de 5kg) e R$ 7,73 no óleo de soja (900ml).
Dentre as carnes (por quilo), o Procon localizou estabelecimentos vendendo pelo valor máximo de R$ 47,69 o quilo do patinho; R$ 55,61 no coxão mole; R$ 53,11 no coxão duro e R$ 64,99 no contrafilé.
De acordo com a entidade de defesa do consumir, a operação continua nos próximos dias em São Paulo.
“Nós iremos comparar a nota de compra de cada item com o preço da prateleira para verificar se há margem de lucro muito ampliada, que é uma prática abusiva, e os abusos não serão tolerados. As operações continuam para garantir à população de baixa renda o acesso aos produtos da cesta básica”, disse o diretor do Procon-SP, Fernando Capez.
Procon fiscaliza supermercados em SP
Procon/divulgação
Fiscalização
Em razão das denúncias e notícias relatando aumentos nos preços de alimentos essenciais da cesta básica, equipes de fiscalização estão visitando supermercados e locais de venda ao varejo para monitorar e identificar eventuais aumentos em todo o estado.
Segundo Procon-SP, as empresas serão notificadas a apresentar notas fiscais de compra e venda dos produtos e, caso seja identificado um aumento desproporcional nos valores, responderão a processo administrativo no órgão.
O Procon-SP também afirma que os consumidores podem fazer denúncia de estabelecimentos que estão praticando preços altos através do site da entidade ou das redes sociais, marcando @proconsp e indicando o endereço ou site do estabelecimento denunciado.
Procon-SP deve iniciar fiscalização de preços da cesta básica nos mercados
Leitores On Line