A Prefeitura de São Paulo recebeu 235 reclamações contra casas noturnas, baladas e boates abertos durante a pandemia do coronavírus desde o início da quarentena, em 24 de março.

O planejamento de reabertura do governo, o Plano São Paulo estabelece que só é permitido promover eventos que geram aglomerações na fase 5, chamada de “normal controlado”.

A cidade de São Paulo, nesta quinta-feira (2), está na fase amarela, que é a terceira etapa do plano de flexibilização que permite a reabertura, com restrições, de outros tipos de comércio como clubes sociais, restaurantes, bares e salões de beleza. Baladas não estão incluídas.

Continua após a publicidade

A Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia afirma que das 37 712 solicitações do serviço “denunciar estabelecimento que se manteve aberto durante a crise do coronavírus” recebidas até a última quinta-feira (1), 253 mencionam “casa noturna”,”balada” ou “boate” na descrição do atendimento.

A fiscalização de estabelecimentos que ainda não tiveram a abertura ao público permitida é feita por dois mil agentes, segundo a  Secretaria Municipal das Subprefeituras.

Até esta segunda-feira (1), 633 estabelecimentos foram interditados por descumprirem a quarentena.