Preço recorde no campo chega ao consumidor, mostra Fipe

O campo nunca esteve com um cenário tão bom. Praticamente todos os produtos estão com preços recordes. Esse bom momento para os produtores, porém, traz custos para os consumidores.

Os dados desta quarta-feira (2) da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) indicam os efeitos dessa aceleração no campo. Agosto foi mais um mês de alta nos alimentos.

No mês passado, a valorização da alimentação foi de 1,3% em São Paulo, acumulando 6,24% no ano e 10% em 12 meses. Já a inflação média, incluindo todos os gastos dos consumidores, foi de 1,37% no ano e de 3,19% em 12 meses.

E a pressão vinda do campo ainda não terminou, uma vez que os preços continuam subindo, principalmente os dos produtos básicos.

Demanda interna crescente no período de auxílio emergencial, exportações elevadas e, consequentemente, redução na oferta de alguns alimentos, puxaram os preços para cima.

https://venha.leraqui.net/wp-content/uploads/2020/09/mercado20na20zona20sul20de20sc3a3o20paulo20onde20hc3a120bancadas20com20frutas20e20prec3a7os20gc3b4ndolas20com20produtos20e20uma20placa20em20laranja20indicando20o20ac3a7ougue20do20mercado.html
https://venha.leraqui.net/wp-content/uploads/2020/09/mercado20na20zona20sul20de20sc3a3o20paulo20onde20hc3a120bancadas20com20frutas20e20prec3a7os20gc3b4ndolas20com20produtos20e20uma20placa20em20laranja20indicando20o20ac3a7ougue20do20mercado.html
No mês passado, a valorização da alimentação foi de 1,3% em São Paulo
Adriano Vizoni – 05.jan.2012/Folhapress

Um dos gargalos do momento, tanto para consumidores domésticos como para indústrias, é o óleo de soja. A saca da oleaginosa chega a R$ 130 na lavoura e caminha para R$ 140 no porto de Paranaguá. Para melhorar a oferta, o país aumenta as importações.

Devido à alta acentuada da matéria-prima, o consumidor pagou 13% mais pelo óleo de soja em agosto, conforme os dados desta quarta-feira da Fipe. O país obteve uma safra recorde, mas as exportações estão muito intensas.

O arroz também passa a ser uma preocupação. Apenas em agosto, o cereal teve aumento de 38% no campo, e a saca beira os R$ 100.

Boa parte dessa pressão no campo ainda deve ser incorporada aos preços que vão chegar às gôndolas dos supermercados. Demanda interna e exportações ajudam na manutenção do cereal em alta.

Após um período de retração, o país está produzindo mais açúcar, mas a demanda externa reduz a oferta no país. O resultado é uma alta de preço nas usinas, repassada para o varejo.

O leite está com preço recorde no campo, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). Com isso, o produto subiu 5% nos supermercados no mês passado. Alguns derivados, como queijo, tiveram alta de até 8% no mês.

O valor do trigo pago ao produtor é de R$ 1.190 por tonelada, bem acima dos R$ 875 de há um ano. Dólar aquecido e necessidade de importações devem dar força aos preços no varejo.

As carnes já são pressão constante desde o final do ano passado. A demanda chinesa sustenta os preços dos bovinos e dos suínos em patamares recordes nas fazendas. A de frango, em baixa, começa a reagir.

A carne suína, a de maior pressão no bolso do consumidor no mês passado, registrou alta de 6%, segundo a Fipe.

O campo traz boas notícias para o agricultor e acumula receitas externas para o país. Para o consumidor, no entanto, o cenário não é tão bom, principalmente para aqueles de menor renda e que gastam boa parte do que ganham com alimentos.

*

China sustenta A participação chinesa foi importante no mercado mundial de suínos nos primeiros cinco meses deste ano. O país asiático importou 2,5 milhões de toneladas, 84% mais do que em igual período de 2019.

Grandes se retraem Os dados são do Eurostat, que aponta recuos nas compras do Japão, do México, da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. A maior queda ocorreu no México, que comprou 33% menos.

À frente O Brasil é o quarto da lista entre os principais exportadores no mundo, mas registrou o maior crescimento percentual. A União Europeia e o Reino Unido lideram em volume, com 1,92 milhão de toneladas.

Brasil As exportações brasileiras nos cinco primeiros meses somaram 420 mil toneladas. O segundo posto mundial fica com Estados Unidos, com 1,4 milhão de toneladas, seguidos do Canadá, com 598 mil.

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.


Tópicos relacionados

  • inflação
  • juros

  • Veja outros artigos desse colunista

  • Envie sua notícia

  • Erramos?

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Termos e condições

Todos os comentários
Comente*

* Apenas para assinantes da Folha

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line