Preço do cesto básico aumenta quase R$ 30,00 em Chapecó

Com o valor do salário mínimo em R$ 1.045,00 é preciso quase 1,5 salário para comprar o cesto básico em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. O preço chegou a R$ 1.501,75 no mês de setembro e registra aumento de 2%, cerca de R$ 30,00,  em relação ao mês anterior, quando o consumidor pagava R$ 1.472,13. Em comparação aos últimos doze meses, o aumento é de quase 9%. 

Aumento dos produtos alimentícios pesa no bolso do consumidor – Foto: Luciano Moraes/ND

O crescimento foi constatado em pesquisa desenvolvida mensalmente pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó e o Sicom (Sindicato do Comércio da Região de Chapecó). A pesquisa foi realizada nos dias 01 e 02 de setembro em dez estabelecimentos comerciais do município e considerou o consumo de famílias que recebem de um a cinco salários mínimos. 

A pesquisa revela que o produto com maior redução foi a cebola (-39,04%). Segundo a HF Brasil, o mês de agosto foi marcado por um aumento significativo na oferta nacional do produto. Sendo assim, a oferta em abundância seria o fator da redução. 

O produto com maior aumento de preço foi o óleo de soja (33,05%). Um dos responsáveis por isso pode ser a alta do dólar, que favorece as exportações. Com a venda de produtos para fora do país aumentando, ocorreu a diminuição na oferta nacional de alguns produtos, entre eles, o óleo de soja. 

Cesta básica

Cesta básica teve aumento de quase 5% – Foto: Divulgação/ND

O preço da cesta básica aumentou quase 5% no mês de setembro, em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. Após dois meses de redução o custo chegou a R$ 365,08. A cesta é a síntese dos preços de treze dos principais alimentos que compõem o cesto básico, como açúcar, feijão preto e tomate.  

 

Fiscalização

Em Chapecó, o Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) diz que tem acompanhado com atenção os aumentos nos preços dos combustíveis e do gás de cozinha no comércio local, bem como demais produtos que compõem a cesta básica.

“Mesmo não havendo tabelamento ou controle prévio de preços, o Procon de Chapecó tem atuado em observância aos parâmetros legais, no sentido de harmonizar as relações de consumo e combater as abusividades constatadas”, afirma o coordenador executivo do Procon de Chapecó, Vinicíus Antohaki.