Polícia investiga morte de cabeleireira de 20 anos após procedimento estético, em Belo Horizonte

A Polícia Civil de Belo Horizonte investiga a morte de Edisa de Jesus Solini de 20 anos, que sonhava ter um salão de beleza e ter o corpo perfeito. A cabeleireira conseguiu abrir o próprio negócio, mas teve a vida interrompida após realizar um procedimento estético em uma clínica de cirurgia plástica, em de Belo Horizonte (MG), na sexta-feira, dia 11. A mulher realizou uma lipoescultura e enxerto de silicone no glúteo na Clínica Belíssima, localizada no bairro de Savassi, passou mal e foi levada no sábado, dia 12, para o Hospital Felicio Rocho, também na capital mineira, onde morreu.

O caso e as circunstâncias da morte da jovem são investigados pela 3ª Delegacia de Polícia Civil Sul de Minas Gerais, a cargo do delegado Vinícius Dias. Na manhã desta terça-feira, agentes estiveram no estabelecimento para recolher documentos e prontuários médicos.

Edisa Soloni sempre foi uma mulher vaidosa e postaga muitas fotos nas redes sociais

Edisa Soloni sempre foi uma mulher vaidosa e postaga muitas fotos nas redes sociais Foto: Reprodução / InstagramDesde a segunda-feira, parentes e amigos da cabeleireira fazem protestos em frente à clínica e clamam por informações sobre o caso. “Queremos justiça” e “Ela só tinha 20 anos” foram algumas das frase escritas em cartazes e gritadas no local onde Edisa passou pelos procedimentos esteticos. Nas redes sociais, a mãe de Edisa, Arlete mota, publicou vídeos pedindo justiça e uma mensagem com fotos da jovem, onde afirma que vai ‘lutar até o fim”.

O sorriso mais lindo da minha vida. A flor mais linda do meu jardim. Foi realizada. Mamãe vai te amar para sempre, minha princesa. Vou até o fim por você, filha”, escreveu a mãe, que ainda publicou uma das últimas imagens de Edisa, que se preparava para o procedimento estético.

.

Uma das últimas imagens de Edisa Soloni, antes de realizar a cirurgia estética
Uma das últimas imagens de Edisa Soloni, antes de realizar a cirurgia estética Foto: Reprodução / Instagram

Procurada pelo EXTRA, a clínica Belíssima não atendeu aos contatos por telefone.

Vaidosa e amor por viagens

Edisa sempre foi uma mulher vaidosa. Em suas redes sociais, a jovem publicava fotos para exaltar sua beleza, momentos de viagens no Brasil e no exterior, com um visual sempre impecável e, claro, do seu trabalho. A mineira, que morava no bairro de Serra, na região Centro-Sul de BH, tinha mais de 17 mil seguidores no Instagram. Uma das suas últimas aventuras foi no Rio de Janeiro, onde fez fotos em várias praias da Cidade Maravilhosa.

Edisa Soloni publicou uma foto em uma praia do Rio de Janeiro

Edisa Soloni publicou uma foto em uma praia do Rio de Janeiro Foto: Reprodução / InstagramSua última postagem nas redes sociais foi no dia 28 de agosto, quando publicou uma foto entrada do “Espaço Edisa Soloni”, um salão onde realizou um dos seus maiores sonhos: ser dona do próprio negócio. Na legenda, falava como era agradecida pelo que conquistou e por ser uma mulher empoderada.

“Tem gente que sonha com o sucesso. E tem gente que trabalha todos os dias para conquistá-lo. Se vai dar certo? Eu não sei, mas estou deixando Deus decidir. #gratidão #mulheresempreendedoras #mulherempoderada”, escreveu na sua última postagem no Instagram.

Última foto publicada por Edisa Soloni nas redes sociais: no salão próprio, um dos seus sonhos

Última foto publicada por Edisa Soloni nas redes sociais: no salão próprio, um dos seus sonhos Foto: Reprodução / InstagramMorte na mesma clínica, em 2011

Uma outra mulher já havia morrido na mesma clínica, depois de fazer uma cirurgia plástica, em julho de 2011. Na época, parentes da funcionária pública Cátia de Oliveira, de 38 anos, disseram que a vítima estava bem após o procedimento e chegou a receber alta no dia 7 de julho. A cirurgia plástica no abdômen e nos seios foi realizada na clínica plástica Belíssima, a mesma de Edisa, que tem como donos Joshemar Fernandes Heringer e Walkiria Mayrink Heringer, conforme o cadastro ativo no site da Receita Federal. A clínica foi aberta em 2002.

Na época, a Prefeitura de Belo Horizonte informou que a clínica não tinha alvará sanitário para funcionamento. Sem o alvará, não poderia sequer comprar medicamentos. Segundo familiares, na época, a funcionária pública estava empolgada com a operação e se recuperava bem. Após ligar pedindo para ser buscada, ela passou mal e a família, quando conseguiu entrar na clínica, foi informada da morte de Cátia. Ela ainda tinha um ferimento na cabeça.

A cabeleireira Edisa de Jesus Soloni tinha apenas 20 anos e morreu por complicações após uma lipoescultura Foto: Reprodução / Instagram

Leitores On Line