Polícia detém dezenas de manifestantes na capital da Bielorrússia

A capital bielorrussa viveu mais um dia de manifestações contra o governo, motivadas ainda pelo resultado da última eleição presidencial realizada no país, há quase um mês. Houve brigas entre policiais e manifestantes, a maioria mulheres, que tentaram bloquear uma estrada para impedir a passagem de veículos policiais, conforme relatou a agência, sem mencionar possíveis feridos.

Dia 31 dos protestos. Acontecendo agora mesmo em Minsk: as pessoas saíram às ruas para expressar pacificamente a solidariedade com os reprimidos e em apoio aos membros do Conselho de Coordenação. Alguns deles foram brutalmente detidos.​

Mais cedo, em conversa com jornalistas, o presidente Aleksandr Lukashenko, vencedor do último pleito e no poder desde 1994, disse entender a revolta de parte dos manifestantes e admitiu que, talvez, esteja há “mais tempo do que o necessário” como chefe de Estado. No entanto, afirmou que não pretende simplesmente renunciar e que, se necessário, apoiaria uma nova eleição, após uma reforma constitucional.

No último 9 de agosto, a Comissão Eleitoral Central anunciou a reeleição de Lukashenko, com 80,1% dos votos. Mas o resultado foi contestado por opositores, que tomaram as ruas do país rapidamente, exigindo a saída do presidente, que vê participação de atores externos nos tumultos realizados ao longo das últimas semanas.

Pessoas seguram bandeira diante de multidão em protesto em Minsk, na Bielorrússia (arquivo)

Polícia detém dezenas de manifestantes na capital da Bielorrússia


Com Agências

Leitores On Line