O estágio da pandemia

Em dezembro do ano passado, na província chinesa de Wuhan, registraram-se os primeiros casos de uma doença batizada de Covid-19, palavra que logo seria conhecida em todo o planeta.


Sepultadores carregam caixão com vitima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, na zona leste de São Paulo

Bastaram pouco mais de 3 meses para que a enfermidade viral se espalhasse por todos os continentes, levando a Organização Mundial da Saúde a classificar como pandemia o novo flagelo.

Hoje, o mundo já acumula mais de 12 milhões de casos e quase 600 mil mortes confirmadas, na mais grave crise sanitária desde a gripe espanhola, há mais de um século. A pandemia segue acelerada em âmbito global —o pico de casos ainda não foi atingido, conforme apontou o diretor-geral da OMS.

O avanço da Covid-19 envolve, porém, expressivas diferenças regionais e uma dinâmica que foi se modificando com o correr dos meses. Para explicar de um modo resumido, o epicentro da doença esteve inicialmente na Ásia, logo se transplantou para a Europa e passou de lá para o continente americano.

É nas Américas que a Covid-19 apresenta os piores indicadores, mais especificamente nos EUA e no Brasil —não por acaso, países cujos presidentes apostaram na divisão e no negacionismo diante dos perigos da epidemia.

Os EUA, após certa contenção, viram um aumento de contaminações nas últimas semanas, sobretudo nos estados mais ao sul e a oeste, e têm batido recordes mundiais de novas ocorrências.

O Brasil nem ao menos chegou a ver uma queda, seja de casos, seja de óbitos. O vergonhoso patamar de cerca de mil mortes por dia é o resultado de um governo que não apenas foi incapaz de liderar o combate à Covid-19 como sabotou esforços de outras autoridades.

Com Agências

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line