MT contará com 8 aeronaves para combate aos incêndios florestais


Um dos aviões contratados terá capacidade de armazenagem de água de três mil litros e outro de dois mil litros; os dois se juntarão às seis aeronaves já utilizadas. Duas aeronaves contratadas vão se unir às outras seis já utilizadas no combate ao fogo.
Mayke Toscano/Secom-MT
A partir desta semana, oito aeronaves passarão a ser utilizadas pelo governo estadual para o combate aos incêndios florestais, principalmente no Pantanal de Mato Grosso. O acréscimo foi possível porque mais duas aeronaves serão contratadas – e vão se unir às outras seis já utilizadas – para reforçar a estrutura contra o fogo em todo Estado.
Um dos aviões terá capacidade de armazenagem de água de 3 mil litros e outro de 2 mil litros e os dois já devem entrar em operação na segunda-feira (21). Uma terceira aeronave será contratada para uso na semana seguinte.
Segundo o governo estadual, já foram investidos R$ 22 milhões em recursos para o enfrentamento ao fogo.
Mais R$ 10,1 milhões foram destinados pelo governo federal para reforçar as ações de combate aos incêndios e poderão ser utilizados pelo Estado na próxima semana.
Foram aplicados R$ 189 milhões em multas por uso irregular do fogo e R$ 1 bilhão, por desmatamento ilegal.
Mais de 2,5 mil profissionais estão envolvidos, incluindo bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil, da Marinha e do Exército.
Estão sendo utilizados seis aeronaves (mais duas na próxima semana), três helicópteros, mais de 40 viaturas, maquinário e caminhões-pipa.
Foram investidos R$ 500 mil no Posto de atendimento a animais silvestres no pantanal e mais R$ 300 mil ainda serão aportados para reforçar o resgate dos animais atingidos pelos incêndios na região.
O uso de produtos retardantes foi liberado para o combate ao fogo.
O governo passou a negativar os devedores de multas ambientais em cadastros de proteção ao crédito.
Peritos estaduais constataram que os incêndios no Pantanal foram causados por ação humana e inquéritos foram abertos pela Delegacia de Meio Ambiente (Dema) para penalização dos responsáveis.
Queimadas são ilegais e podem ser denunciadas através do 193.