MPSC irá acompanhar as investigações acerca da invasão do campo do estádio Orlando Scarpelli

Em reunião com a diretoria do Figueirense, o PGJ, Fernando da Silva Comin, informou que a 29ª Promotoria de Justiça da Capital contará com o Coordenador do Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO), Promotor de Justiça Eduardo Paladino, para auxiliar nas investigações

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) irá acompanhar as apurações da Polícia Civil acerca da invasão do campo do estádio Orlando Scarpelli no último sábado (5/9). O Procurador-Geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, se reuniu, no final da manhã desta terça-feira (8/9), com a diretoria do Figueirense. Durante o encontro, Comin informou que a 29ª Promotoria de Justiça da Capital contará com o Coordenador do Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO), Promotor de Justiça Eduardo Paladino, para auxiliar nas investigações.

O chefe do MPSC recebeu o Presidente do Figueirense, Norton Boppré, na sede da Procuradoria-Geral de Justiça, em Florianópolis. Acompanhado pelo ex-presidente do clube Paulo Prisco Paraíso e pelo advogado Thiago Divananko, Boppré solicitou apoio da Instituição para que apuração do ocorrido no sábado seja tanto no âmbito criminal quanto no do consumidor.

A 29ª Promotoria de Justiça da Capital, que atua na defesa do consumidor, acompanha, desde o ano de 2008, o cumprimento de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado com a Polícia Militar, a Federação Catarinense de Futebol e com diversos clubes, inclusive o Figueirense, para o combate à violência e para a preservação da segurança nos estádios durante a realização de partidas de futebol, notadamente no que diz respeito à atuação e ao comportamento de torcidas organizadas e de seus integrantes.

“Por ora é prematuro falar em participação de integrantes da torcida organizada, mas vamos apurar todo e qualquer elemento para que situações como estas não voltem a ocorrer”, afirmou o Coordenador do CCO, Promotor de Justiça Eduardo Paladino, que participou da reunião com a diretoria do Figueirense. O Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos do MPSC, Fábio de Souza Trajano, também esteve presente.

Paladino e a Promotora de Justiça Analú Librelato Longo, que responde pela 29ª Promotoria de Justiça, irão trocar informações com o Delegado de Polícia Paulo Augusto Hakin. Após concluir as apurações, o Delegado encaminhará o inquérito policial para a Promotoria de Justiça da área criminal, que avaliará as medidas a serem apuradas a partir da conclusão do inquérito policial.

No âmbito do consumidor, se ficar comprovada a participação de integrantes de torcida organizada no ocorrido de sábado, os envolvidos poderão responder por ilícitos previstos no Estatuto de Defesa do Torcedor.

A invasão no campo do Orlando Scarpelli ocorreu por volta das 15 horas de sábado (5/9) durante o treino dos jogadores do Figueirense. Os invasores pularam o muro e derrubaram o portão para conseguir entrar no gramado. O grupo soltou fogos de artifício e ameaçou os jogadores e outros profissionais de agressão. Algumas pessoas foram feridas. No momento, estavam treinando 34 jogadores.

MPSC irá acompanhar as investigações acerca da invasão do campo do estádio Orlando Scarpelli

Leitores On Line