MPF nega pedido de Flávio Bolsonaro para remarcar acareação com Marinho, diz JN

O MPF (Ministério Público Federal) negou o pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) para mudar a data da acareação com o empresário Paulo Marinho. A informação foi divulgada pelo “Jornal Nacional” nessa 2ª feira (7.set.2020).

A acareação, marcada para 21 de setembro, faz parte do inquérito que apura o suposto vazamento da operação Furna da Onça. Marinho disse que Flávio foi informado que a PF (Polícia Federal) iria deflagrar uma operação que atingira seu gabinete na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletterÂ
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Deflagrada em 2018, a Furna da Onça apura esquema de corrupção na Alerj. Foi no âmbito da investigação que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) elaborou o relatório que aponta movimentação financeira suspeita de Fabrício Queiroz quando ele atuava como assessor de Flávio, então deputado estadual. A PF começou, então, a apurar 1 suposto esquema de rachadinha na Alerj.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Marinho, que é suplente de Flávio no Senado, afirmou que participou de uma reunião com o senador em dezembro de 2018. No encontro, Flávio teria dito que 1 delegado da PF vazou informações da operação. Os policiais também teriam “segurado a operação” para que ela não fosse feita antes do 2º turno das eleições de 2018 e pudesse atrapalhar a candidatura de Jair Bolsonaro. O senador é o filho mais velho do presidente.

Flávio confirmou a reunião com Marinho, mas negou que tivesse recebido informações privilegiadas.

A defesa de Flávio Bolsonaro disse ao “Jornal Nacional” que o senador não vai comparecer na data marcada porque, por lei, congressistas podem marcar dia, hora e local para seus depoimentos. Ainda, a defesa vai questionar a atuação do procurador na investigação.

Continuar lendo