Moro fala em ataque à Lava Jato. República de Curitiba acabou?

No último dia 25, a subprocuradora-geral da República Lindora de Araújo realizou uma visita de trabalho à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba (PR). Braço direito do procurador-geral, Augusto Aras, ela buscava informações sobre o estágio das investigações sobre as quais ela havia solicitado uma cópia da bases de dados em mãos dos procuradores do Paraná.

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Foto: Sergio Lima / AFP. (via Getty Images)

No dia seguinte, o grupo de trabalho pediu demissão. Deixaram as funções na equipe os procuradores Hebert Reis Mesquita, Luana Macedo Vargas, Maria Clara Noleto e Victor Riccely Lins Santos.

O motivo, segundo os demissionários, é que Lindora havia tentado obter ilegalmente acesso a informações ainda sigilosas, conforme um ofício enviado à Corregedoria do Ministério Público Federal e obtido pelo jornal O Globo.

Ofício, visita de trabalho, cópia, base de dados: o que parece papo entediante de burocrata em torno da máquina de xerox pode ser um dos maiores reveses ao grupo de procuradores desde que a força-tarefa foi alçada a símbolo nacional do combate à corrupção.

Até outro dia, era o próprio presidente Jair Bolsonaro quem chamava Sergio Moro, responsável por julgar (e orientar, segundo a Vaza Jato) os trabalhos da turma, de patrimônio nacional.

Agora a conversa é outra.

A suspeita dos procuradores é que Aras busque acessar dados da Lava Jato para atacar o ex-magistrado e ex-ministro da Justiça.

Moro acusou o golpe.

No começo da semana, ele disse no Twitter que a Lava Jato está sob ataque. E defendeu na publicação, como aprimoramento para o combate à corrupção, o respeito à lista da PGR, mandato para delegado da Polícia Federal, o fim do foro privilegiado e a execução da condenação em segunda instância — temas hoje delicados para Jair Bolsonaro.

Foi ele, afinal, quem driblou a lista tríplice dos candidatos mais votados para a PGR e decidiu que cabia a Aras chefiar o MPF. A escolha de delegados da PF está no centro da suspeita sobre uma possível interferência de Bolsonaro na PF, razão pela qual deixou o governo. E seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), acaba de ser beneficiado pelo foro na investigação sobre as supostas rachadinhas em seus tempos de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio.

A defesa ou não da prisão após condenação em segunda instância depende agora do famoso quem; enquanto pegar inimigos, ótimo. Mas e se a Justiça funcionar também para familiares palacianos?

Pouco depois do racha entre procuradores de Curitiba e os chefes em Brasília, o jornal Correio Braziliense teve acesso a um ofício assinado pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, dizendo que as chamadas forças-tarefas do MPF representam um modelo “pródigo em anomalias” e incompatível “com o perfil constitucional do Ministério Público e institucionalmente desagregadores e disruptivos”.

Segundo Jacques de Medeiros, muitos processos enviados ao MPF do DF foram absorvidos pelos procuradores da unidade sem a organização de uma força-tarefa, num recado indireto à instituição baseada em Curitiba.

Há quem veja no desmanche da força-tarefa paranaense uma reação absurda que antecipa a campanha em defesa da candidatura de Sergio Moro à Presidência em 2022. O nó seriam possíveis abusos cometidos pelo grupo, que hoje estariam no radar de Brasília, como uso irregular de gravadores.

Moro pode não ter provas, mas aparentemente tem convicção de que a mudança de gestão e procedimento do MPF agora é um ataque à Lava Jato, operação que mostrou os dentes contra gestões anteriores mas chega banguela numa fase decisiva do governo do qual seu símbolo máximo fazia parte até outro dia.

Com Agências

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line