Ministério da Saúde quer distribuir ‘kit covid’ com medicamentos sem eficácia comprovada

Hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina são defendidas pelo governo no tratamento da doença

O Ministério da Saúde estuda a possibilidade de criar uma espécie de “kit covid”, que seria distribuído de graça a partir das farmácias populares. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com a publicação, os medicamentos seriam o sulfato de hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina. Nenhum deles tem eficácia comprovada contra a Covid-19.

Em nota, a pasta afirma que “a portaria está em estudo”. “Tanto em relação ao valor de financiamento da dotação extraorçamentária, quanto ao acordo tripartite com Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde).”

Assim como o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, defende o uso da cloroquina no tratamento da doença.

Alto investimento 

O ‘kit covid’ não custaria pouco para o governo. Segundo a tabela de preços definida pelo governo federal, custa 25 reais cada caixa com dez comprimidos de sulfato de hidroxicloroquina 400 mg, medicamento indicado na bula para artrite reumatoide, lúpus e malária.

Já dez comprimidos do antibiótico azitromicina 500 mg valem 35 reais. Enquanto caixas com dois comprimidos do vermífugo ivermectina 6 mg custam 15 reais. Os valores consideraram alíquotas de ICMS cobradas em São Paulo.

O governo então desembolsaria 75 reais por paciente sem ter uma eficácia comprovada.

O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello. Foto: Erasmo Salomão/MS

O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello. Foto: Erasmo Salomão/MS

Leitores On Line