Metade dos jovens internos por tráfico no RJ começou a trabalhar com menos de 14 anos

No sistema socioeducativo, por trás de números e estatísticas, há diversas histórias de vida. Para conhecer um pouco dessas histórias, uma pesquisa inédita entrevistou 100 jovens no ano passado, todos internos do Degase, o Departamento de Ações Socioeducativas do RJ, por envolvimento com o tráfico de drogas. Coordenadora da pesquisa, Paula Napolião explica o objetivo do levantamento.

Paula sintetiza a realidade que os resultados expõem.

A pesquisadora afirma que as dificuldades do sistema socioeducativo acabam atrapalhando o desenvolvimento do potencial dos jovens detentos.

A pesquisa mostrou que quase metade dos jovens hoje detentos ajudavam nas despesas de casa e começaram a trabalhar antes dos 14 anos, não necessariamente envolvidos em atividades ilícitas. E que, uma vez no tráfico, cumprem jornadas extenuantes e expostas ao perigo em troca de rendimentos modestos – sendo, portanto, mais vítimas do que algozes.

Com Agências