Material era contrabandeado para ser utilizado em obras de arte

A Polícia Federal realizou nesta terça-feira (15) em São Paulo, em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Polícia Ambiental paulista, uma operação na capital com o objetivo de investigar o tráfico de presas de marfim de elefantes. O material é utilizado em obras de arte.

Os policiais cumpriram 11 mandados de busca e apreensão na cidade de São Paulo, contra pessoas que poderiam estar relacionadas ao contrabando desse material.

Após a identificação do comércio de obras no centro da capital paulista, e levantamentos feitos pela Coordenação de Inteligência de Fiscalização da Diretoria de Proteção Ambiental do Ibama confirmarem indícios da prática do crime ambiental, a PF identificou possíveis receptadores do material.

Material era contrabandeado para ser utilizado em obras de arte

Material era contrabandeado para ser utilizado em obras de arte

Foto: Divulgação – 15.set.2020 / Polícia Federal

Segundo a polícia, o crime de tráfico de marfim constitui uma das principais causas da diminuição da população dos elefantes, principalmente no continente africano.

Os agentes descobriram ao menos 11 endereços relacionados a suspeitos de importarem, adquirirem ou comercializarem obras de arte produzidas com marfim.

Mesmo com a proibição da extração e comercialização do material, mais de 50 mil animais são mortos por ano com esse objetivo.

Ao menos 8 pessoas serão ouvidas e, se condenadas, poderão responder pelo crime de contrabando, além de serem multadas por crimes ambientais. O Ibama informou que já foram lavradas multas no valor de R$ 360 mil.

Segundo a PF, os suspeitos não serão presos inicialmente, mas vão ser ouvidos a respeito da origem e os objetos serão apreendidos.

Mais de 120 peças foram apreendidas nesta terça, além um casco de tartaruga, 2 armas brancas e 3 armas de fogo antigas. Estas parecem ser de colecionador e não de porte comum, mas passarão por perícia para se ter certeza sobre isso.

Cooperação internacional

Em 3 de março de 1973, o Brasil firmou uma parceria na Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagem em Perigo de Extinção (Cites), realizada nos Estados Unidos. O país se comprometeu a adotar medidas que coibissem o tráfico interno de espécies ameaçadas ou já em extinção.

Ainda de acordo com a PF, há em andamento uma operação internacional denominada Thunder, organizada em conjunto com a Interpol e a Organização Mundial de Aduanas, que apura crimes similares.

Leitores On Line