Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quarta-feira, 16 de setembro

Brasil volta a ultrapassar mil mortes diárias por COVID-19

Nesta terça-feira (15), o Brasil voltou a ultrapassar mil mortes diárias por COVID-19, ao confirmar 1.090 novos óbitos, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa. Três estados apresentam alta no número de mortes: RS, RO e CE. A média móvel da última semana é de 813 mortes diárias. O Brasil registra 4.384.299 casos e 133.207 mortes em decorrência do novo coronavírus. A pandemia deve modificar o mercado de trabalho no país de forma permanente, com instituições como a Prefeitura de São Paulo anunciando a implantação definitiva do teletrabalho para servidores públicos municipais.

Padre Júlio Lancelotti registra boletim de ocorrência após suposta ameaça

Nesta terça-feira (15), o padre Júlio Lancelotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, registrou boletim de ocorrência após ter sido xingado enquanto atendia a moradores de rua no Centro de São Paulo. Para Lancelotti, o candidato à prefeitura da capital paulista, Arthur do Val, que se refere ao padre como “cafetão da miséria”, incita seus apoiadores a agredi-lo. “Depois dos ataques de alguns candidatos à prefeitura contra mim, eu estou cada vez mais em risco. […] Se eu for atingido por alguém, vocês sabem de quem é a culpa”, afirmou o padre em vídeo publicado em sua conta no Twitter. Arthur do Val negou ter ameaçado ou incentivado que outros ameaçassem o religioso.

Trump diz que COVID-19 foi o maior desafio de sua presidência

Nesta terça-feira (15), o presidente dos EUA, Donald Trump, admitiu que a pandemia de COVID-19 foi o maior desafio de sua presidência. “Sem dúvida […], porque as coisas estavam indo tão bem”, disse o candidato à reeleição ao canal ABC News. “Aprendi que a vida é muito frágil, porque havia pessoas fortes que, de repente, estavam mortas.” Anteriormente, entrevista na qual Trump admitia ter minimizado a gravidade da pandemia repercutiu mal na sua campanha para a reeleição à presidência dos EUA. De acordo com pesquisa Real Clear Politics, o candidato da oposição à presidência dos EUA, Joe Biden, tem vantagem de 6,8 pontos percentuais sobre Trump.

Após bombardeio contra Gaza, Israel acusa palestinos de prejudicar acordo com EAU e Bahrein

Nesta quarta-feira (16), o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou grupos palestinos de lançar foguetes contra Israel, no intuito de prejudicar acordo de normalização de relações diplomáticas assinado entre Israel, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Bahrein. As Forças de Defesa de Israel reagiram com bombardeios contra a Faixa de Gaza no início da manhã. Anteriormente, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, havia dito que o acordo assinado entre países do golfo Pérsico e Israel “não trará paz à região”, que só seria possível “quando a ocupação israelense [da Palestina] acabar”.

OMC considera tarifas dos EUA contra China violação das normas internacionais

Nesta terça-feira (15), painel da Organização Mundial do Comércio (OMC) considerou que a imposição de tarifas pelos EUA contra a China em 2018, iniciando a chamada “guerra comercial” entre Pequim e Washington, foi uma violação das normas internacionais de comércio, reportou a Reuters. Para o painel, os EUA “não demonstraram que as medidas impostas eram provisionalmente justificáveis” e recomendou que o país “colocasse as medidas em conformidade com suas obrigações” como signatário da organização.

Yoshihide Suga assume o cargo de primeiro-ministro do Japão

Nesta quarta-feira (16), Yoshihide Suga foi eleito o novo primeiro-ministro do Japão, após oito anos de governo do seu correligionário, Shinzo Abe. Suga deve montar um “gabinete de continuidade”, mantendo boa parte dos secretários nomeados por Abe no cargo. Tradicional aliado de Abe, Suga também deve manter a política econômica do ex-primeiro-ministro, apelidada de Abenomics. A bolsa de Tóquio fechou em alta após o anúncio da ascensão de Suga. Em agosto, Abe havia anunciado a sua renúncia, citando piora no estado de saúde.

Shinzo Abe deixa a residência oficial do primeiro-ministro do Japão após oito anos no cargo, Tóquio, 16 de setembro de 2020

Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quarta-feira, 16 de setembro

Leitores On Line