Justiça arquiva processos contra policial civil que era suspeito de crimes em Piranhas


Ele foi detido em 2019, em uma ação da Corregedoria da Polícia Civil. Durante a tramitação do processo no Poder Judiciário, defesa conseguiu reverter prisão e decisão que suspendia porte de arma e determinava trabalho administrativo para o agente. Policial civil é lotado em Aragarças
Facebook/Reprodução
A Justiça arquivou os processos criminais contra o policial civil Maurício Gomes Nunes, lotado em Aragarças, região oeste de Goiás. Ele havia sido detido em abril de 2019 suspeito de cometer os crimes de corrupção passiva, associação criminosa e denunciação caluniosa em Piranhas.
Maurício disse que, desde que deixou a prisão, quase um mês depois de ser detido, apresentou problemas psiquiátricos e está de licença médica do trabalho.
A prisão ocorreu em virtude de uma ação da Corregedoria da Polícia Civil, que investigava supostos crimes entre 2013 e 2017. Em nota, a assessoria de imprensa da corporação informou que “não comenta decisões judiciais e que os procedimentos disciplinares da Corregedoria tramitam sob sigilo”.
O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) informou que denunciou Maurício por corrupção passiva e denunciação caluniosa. O órgão disse que “buscou por todas as formas manter as investigações em andamento”, mas que os recursos foram rejeitados, não restando outra alternativa senão o pedido de arquivamento (leia a íntegra ao final do texto).
Processo na Justiça
Durante o trâmite processual, a defesa do policial recorreu e conseguiu na 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás um habeas corpus para liberá-lo da prisão e outro para derrubar uma decisão que havia suspendido a autorização para porte de armas e determinado que ele realizasse somente atividades no âmbito administrativo. Os dois casos foram relatados pelo desembargador Edison Miguel da Silva Júnior.
O MP-GO novamente recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Porém, em julgamento na 5ª Turma, os ministros decidiram, por unanimidade, manter a decisão da Justiça de Goiás. A relatoria neste caso ficou a cargo do ministro Jorge Mussi.
Diante dos fatos, o MP-GO, desta vez, se posicionou em favor do arquivamento dos autos, o que foi determinado pelo juiz Jesus Rodrigues Camargos.
Veja outras notícias da região no G1 Goiás.

Gostou deste blog? Por favor, compartilhe :)

https://jornaltijucas.com.br/feed/
Seguir por E-mail
YOUTUBE
Leitores On Line