Justiça arquiva investigação sobre professor envenenado no DF


Odailton Charles de Albuquerque Silva, de 50 anos, morreu em fevereiro; laudo apontou chumbinho no corpo dele. Segundo Ministério Público, não foi ‘demonstrada a existência de crime doloso contra a vida’. Professor Odailton Charles de Albuquerque Silva
Reprodução
A Justiça do Distrito Federal arquivou o processo de investigação da morte do professor Odailton Charles de Albuquerque Silva, de 50 anos, que morreu em fevereiro deste ano. Ele faleceu após passar mal no Centro de Ensino Fundamental (CEF) 410 Norte, onde trabalhava, e um laudo apontou a presença de chumbinho no corpo do educador (relembre abaixo).
O caso tramitou em segredo de Justiça e o arquivamento ocorreu a pedido do Ministério Público do DF (MPDFT). Segundo o órgão, a decisão foi tomada “por não ter restado demonstrada a existência de crime doloso contra a vida”. O MP disse ainda que não pode dar mais detalhes sobre o caso.
‘Tô com medo’, diz professor morto por suspeita de envenenamento no DF; ouça áudio
Polícia conclui inquérito sobre professor envenenado em escola pública do DF
Polícia do DF levanta hipótese de suicídio para morte de professor envenenado
Nesta segunda-feira (14), o CEF 410 Norte também emitiu nota sobre o caso. A instituição de ensino afirma que os fatos “foram esclarecidos após processo de investigação policial” e que “não houve crime de homicídio por parte de nenhum dos servidores e ou servidoras desta instituição” (veja íntegra abaixo).
O inquérito sobre o caso foi concluído em junho. À ocasião, o delegado responsável pela investigação, Laércio Rosseto, disse à reportagem que não podia falar sobre as apurações por conta do sigilo judicial.
Relembre o caso
Em áudio, professor morto por suspeita de envenenamento diz: ‘Tô com medo’
O professor morreu no dia 4 de fevereiro, após ficar cinco dias internado no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Em um áudio enviado a amigos (ouça acima), Odailton disse que começou passar mal depois de beber um suco de uva oferecido por uma colega na escola.
Direção de escola nega que colega tenha oferecido suco a professor envenenado
A mulher do educador registrou ocorrência policial e entregou uma bolsa térmica com gelo e as roupas usadas pelo marido no dia em que ele foi à instituição. Em 6 de fevereiro, um laudo da Polícia Civil apontou a presença de veneno de rato no corpo do professor.
Segundo a perícia, a substância encontrada no vômito era chumbinho. No entanto, não foram encontrados indícios de suco de uva no material. À época, a polícia também levantou a hipótese de suicídio.
Suposto esquema de corrupção
Em outras gravações enviadas a amigos, o professor denunciou um suposto esquema de “rachadinha” na escola. Odailton atuou por oito anos como diretor da instituição e perdeu uma eleição pouco antes de morrer.
Após a divulgação das acusações, a Secretaria de Educação informou que a prestação de contas do CEF 410 Norte estava “em dia”. Segundo a pasta, a escola apresentou os documentos de 2009 a 2018 e os mesmos foram aprovados.
O que diz a escola
Confira a íntegra da nota do CEF 10 sobre o caso:
“A Direção do CEF 410 Norte, por respeito, dever e responsabilidade, vem publicamente ante a comunidade escolar do Distrito Federal (secretários, diretores, professores, professoras, mães, pais e estudantes) informar que os fatos ocorridos no dia 30/01/2020, que levaram ao falecimento do professor Odailton Charles, foram esclarecidos após processo de investigação policial e segundo o Relatório final/I.P. nº 60/2020-2ª D.P., bem como a decisão contida em TRIJURIBSB/Decisão/ID71716689, não houve crime de homicídio por parte de nenhum dos servidores e ou servidoras desta instituição. Ainda, por essa razão, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios requereu o ARQUIVAMENTO do processo investigatório.
Diante do exposto, a Direção do CEF 410 Norte agradece a solidariedade e o apoio daqueles que, conhecedores da seriedade do nosso trabalho e caráter, mantiveram-se confiantes de que a Justiça seria feita e a verdade seria elucidada.
Direção do CEF 410 Norte.”
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.
Leitores On Line