Jovem de Joinville grava vídeo sobre criança que engravidou após estupro de tio e viraliza

Vídeo foi lançado nesta segunda-feira (17) e já conta com milhares de visualizações; para a joinvilense Annabel do Nascimento Machado, objetivo é gerar empatia nas pessoas

Essa é a pergunta que a joinvilense Annabel do Nascimento Machado, de 22 anos, faz em um vídeo que viralizou nas redes sociais. Nas imagens, a jornalista e digital influencer mostra imagens dela contando sua coleção de gibis e relembrando a rotina de quase toda a criança: brincar, assistir desenho e tomar achocolatado.

Vídeo questiona as pessoas sobre o que elas faziam quando tinham dez anos – Foto: Reprodução/Instagram

Mas quem acha que o vídeo é para ser “nostálgico” se engana. Na verdade, Annabel aproveita o gancho para abordar um assunto sério e que ainda é “tabu” na sociedade: o abuso de crianças.

A ideia do vídeo surgiu após a jovem ler as notícias sobre a menina de 10 anos que engravidou do tio após ser estuprada. O principal suspeito é o tio. Segundo a polícia, a suspeita é de que os abusos ocorriam há cerca de quatro anos.

Por conta dos riscos da gravidez, a menina foi submetida a um aborto no domingo (16). Embora a legislação preveja a legalidade do procedimento em casos de estupro, a Justiça precisou expedir uma decisão que a autorizava um aborto, após a unidade hospitalar se negar a realizá-lo.

O suspeito foi preso na madrugada desta terça-feira (18) na cidade mineira de Betim.

“Eu estava na praia e comecei a ver algumas movimentações sobre esse caso na internet. No começo, eu tentei não me envolver tanto. Mas depois de ver uma enxurrada de debates, eu resolvi, então, me pronunciar”, conta.

Objetivo é gerar empatia

Para ela, o estopim para a gravação foi um vídeo que circula nas redes sociais de um grupo religioso que foi até a porta do hospital onde a menina realizou o aborto pedindo para que ele não fosse realizado.

“Quando vi as imagens eu fiquei muito perturbada e pensei que precisaria fazer algo sobre aquilo”, conta.

Ela, então, escreveu o roteiro na noite de domingo e gravou o vídeo na manhã de segunda-feira (17). Segundo ela, o intuito era transmitir empatia em quem assistisse.

“Eu queria que as pessoas se colocassem no lugar de quem já passou por isso. E, assim, pudessem ter outra visão sobre toda essa situação”, explica.

Vídeo já acumula mais de 1,7 milhões de visualizações

O vídeo foi publicado ainda na segunda-feira. Rapidamente, ganhou milhares de compartilhamentos. No Instagram, por exemplo, até a manhã desta terça-feira, ele já contava com mais de 1,7 milhão de visualizações.

Apesar de ser influenciadora, Annabel ficou surpresa com os números e feliz com recepção da mensagem junto ao público.

“Apesar de ser um assunto que me deixa muito triste, eu fico feliz que essa visão esteja se espalhando. Principalmente pelo retorno que recebi de muitas pessoas que pensavam igual mas não tinham coragem de se pronunciar”, explica.

Vídeo já conta com mais de 1,7 milhões de visualizações no Instagram – Foto: Instagram/Reprodução

Mas Annabel não esconde o receio que sentiu no início de receber ataques ao publicar o vídeo. Principalmente por tocar em um assunto tão delicado como a religião.

“A religião é uma questão muito pessoal, que vai de cada um e que devemos ter respeito. Então, eu sabia que ia ter comentários negativos e que poderiam me machucar. Mas, no fim, foram tantas mensagens positivas que fiquei muito contente”, afirma.

Por fim, Annabel ressalta a importância das pessoas se posicionarem, principalmente em assuntos que envolvem injustiças sociais.

“Eu penso que todo mundo influencia alguém, não importa se é para muita gente ou só para sua família. Então, sempre que há uma injustiça sendo feita, quando há uma situação sendo exposta, que deve ser debatida, a gente deve se posicionar, até para levar diferentes visões sobre uma mesma situação e, assim, gerar o debate”, finaliza.