JEC/Krona terá que furar a forte defesa do Marreco para voltar com três pontos na bagagem

O JEC/Krona ainda não sabe o que é perder na Liga Nacional e os comandados do técnico Daniel Júnior não pretendem sentir o gostinho do revés nesta terceira partida. O Tricolor viajou para enfrentar o Marreco nesta quarta-feira (16), às 18h, em Francisco Beltrão e para voltar com os três pontos na bagagem tem uma missão difícil: furar a forte defesa do time paranaense. Na última visita ao Paraná, o Joinville voltou com uma vitória.

Tricolor tem a missão de furar a forte defesa do Marreco para trazer a vitória para Joinville – Foto: Vitor Kortmann/JEC/Krona

Vice-líder do grupo B com nove pontos em cinco jogos disputados, o Marreco venceu três e perdeu dois de seus jogos até aqui. Já o JEC/Krona só entrou em quadra duas vezes: uma vitória diante do Foz Cataratas e um empate contra o Carlos Barbosa.

Para o técnico Daniel Júnior, o Joinville precisa ser inteligente para conseguir atacar as fragilidades do adversário que, como salienta o comandante tricolor, tem uma ótima defesa e costuma ser letal no contra-ataque.

“Eles têm uma defesa muito forte embaixo, defendem muito bem para contra-atacar e nosso ataque precisa ser inteligente, entender as ações, os movimentos, os posicionamentos em quadra para não oferecer esses contra-ataques que eles fazem muito bem”, avalia.

O experiente fixo Leco também exalta o setor defensivo do Marreco e sabe que é neste ponto que a equipe precisa estar atenta quando a bola rolar. “Eles estão com uma defesa ajustada, mais por zona, que não percebemos nas últimas equipes que enfrentamos. Teremos que fazer uma análise diferente de como atacar em cima dessa defesa. Mas, tivemos uma ótima preparação, com tempo para treinar, fizemos o que precisávamos e queríamos e agora é colocar em prática”, fala.

Facilidade de comunicação entre os atletas tem auxiliado nos ajustes táticos durante o jogo, aponta o fixo Leco – Foto: Vitor Kortmann/JEC/Krona

Em cinco partidas, a equipe paranaense sofreu apenas seis gols e depois de perder os dois primeiros jogos, vem de três vitórias consecutivas.

Já o JEC/Krona só jogou duas vezes, isso porque em Santa Catarina o futsal ainda não está liberado e, por isso, a equipe precisa viajar para disputar os jogos fora de casa. Com isso, depende da adaptação da tabela.

No entanto, os meses de preparação e as duas partidas já conseguiram mostrar a cara do Tricolor nessa temporada: uma equipe que luta para ficar com a bola no ataque e uma defesa forte e agressiva. Daniel Júnior salienta que, desde a primeira partida, o Joinville já mostrou “a cara do time”. Apesar disso, admite que é preciso jogar mais para aprender quais são os pontos fracos em jogo.

“Carlos Barbosa nos ensinou que precisamos ajustar nossa defesa para equipes que finalizam de média distância como eles, que procuram ataques rápidos e finalizadores, mas conseguimos ajustar no segundo tempo. Nosso time consegue se construir ao longo da partida e depois dela também. Os ajustes de defesa vêm de acordo com a equipe que vamos enfrentar”, fala.

Leco ressalta que, apesar da reformulação, o Joinville chega para a Liga Nacional com o time já ajustado, encaixado e entrosado. “A equipe já está mostrando uma identidade, os jogadores que vieram, vieram para agregar muito, são jogadores de qualidade e com excelência técnica. Então, nossa equipe tem um grande futuro pela frente e vai crescer muito durante a competição”, diz.

Para o fixo, os jogos atípicos, sem torcida e com diversos protocolos a serem seguidos têm trazido uma possibilidade a mais que pode ajudar a equipe dentro de quadra: a facilidade de comunicação. Com o ginásio silenciado sem a presença da torcida, os ajustes táticos durante a partida estão sendo explorados por atletas e comissão.

“Acho que conseguimos tirar proveito de uma situação que nem todo mundo tem se dado conta que é o fato de não ter torcida no ginásio facilitar a comunicação dos atletas e estamos conseguindo ajustar o time taticamente de uma forma como nunca aconteceu. Não que eu seja a favor de não ter torcida, eu quero a torcida, o fato de ter torcida é muito mais importante do que isso que estou mencionando, mas diante da circunstância podemos tirar um lado positivo e é esse ajuste tático da equipe”, analisa.

Em busca da segunda vitória fora de casa, a bola vai rolar para o Tricolor a partir das 18h, no Complexo Esportivo Arrudão.

Relacionados

Goleiros: Willian e Dennis

Fixos: Leco, Machado e Andrei

Alas: Caio, Igor Carioca, Rodriguinho, Xuxa, Renatinho e Crystian

Pivôs: Dieguinho, Genaro e Igor Costa

Técnico: Daniel Jr.

Leitores On Line