Importação de arroz pelo Brasil dispara até 2ª semana de setembro


A compra do grão com casca subiu 310,9%, para 864,3 toneladas ao dia, enquanto os preços de importação atingiram US$ 337,3 por tonelada, alta de 27,52%, diz Economia. Arroz em casa antes de passar pelo beneficiamento, ou seja, ser descascado e limpo antes de ser embalado
Paulo Lanzetta/Embrapa
As importações de arroz com ou sem casa pelo Brasil aumentaram fortemente neste mês, até a segunda semana, na comparação com a média diária registrada em setembro completo de 2019, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Economia, nesta segunda-feira (14).
A alta vem na esteira de preços recordes no mercado nacional que levaram o governo a isentar de tarifas uma cota de R$ 400 mil toneladas para compras externas, na semana passada.
Tarifa zero do arroz garante menos de um mês de consumo, mas governo prevê queda nos preços ‘nas próximas semanas’
Veja quais países lideram a venda e a compra de arroz do Brasil
A média das aquisições de “arroz com casca, paddy ou em bruto” disparou 310,9%, para 864,3 toneladas ao dia, enquanto os preços de importação atingiram 337,3 dólares por tonelada, alta de 27,52%, conforme os dados do governo.
Ao todo, a importação desse tipo de arroz no acumulado do mês até a segunda semana somou 6,9 mil toneladas, já superando as 4,4 mil toneladas vistas em todo o mês de setembro de 2019.
Já as importações de arroz “sem casa ou semi elaborado, polido, glaceado, quebrado, parbolizado ou convertido” somaram 3,3 mil toneladas ao dia, alta de 14,74% ante a média do mesmo mês do ano passado, acumulando um total de 26,7 mil toneladas até a segunda semana.
Não havia informações disponíveis sobre o origem das importações registradas na parcial de setembro.
As importações cresceram em meio a expectativas de que o governo poderia isentar uma cota de tarifa, o que acabou se confirmando, e diante de preços recordes no mercado nacional acima de 100 reais a saca de 50 kg no Rio Grande do Sul, conforme indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), valor que representa mais que o dobro do visto no mesmo período do ano passado.
Saiba de onde o Brasil compra e para onde vende arroz
Câmbio e aumento do consumo
Em agosto, as importações pelo Brasil ainda foram 46% mais baixas frente o mesmo período do ano passado, para 44 mil toneladas, de acordo com dados do Ministério da Agricultura. Enquanto isso, no acumulado dos oito primeiros meses do ano, as aquisições tinham caído 17,2%, para 417 mil toneladas.
A queda nas compras externas até agosto, assim como fortes exportações de arroz pelo Brasil, impulsionadas pelo câmbio, além do aumento do consumo nos lares durante a pandemia, estão entre os fatores para a alta nos preços do cereal este ano.
Entre os principais fornecedores de arroz ao Brasil estão os países do Mercosul, mas com o câmbio desfavorável esse negócios tinham sido menos intensos até o mês passado.
Com a isenção da tarifa de 10% a 12%, para o arroz em casca e beneficiado, respectivamente, para uma cota de 400 mil toneladas até o final do ano para o produto de fora do Mercosul, o governo brasileiro espera que Estados Unidos e Tailândia estejam entre os principais fornecedores, disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na semana passada.
A cota sem tarifa é vista pelo governo como uma forma de aliviar os preços para os consumidores.
Procurada, a Associação Brasileira da Indústria de Arroz (Abiarroz) não retornou pedidos de comentários sobre importações.
Grandes empresas nacionais, como Camil e Tio João, preferiram não comentar o assunto.
A cota sem tarifa representa cerca de 35% das importações brasileiras totais projetadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o ano.
VÍDEOS: Alta do preço dos alimentos
Leitores On Line