Idosa que perdeu 75% do pulmão vence a Covid-19 após 3 meses internada em SP


Paciente de 68 anos já havia vencido um câncer de mama e trata uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) há 15 anos em Santos, no litoral paulista. Idosa se recuperou da Covid-19 e teve alta nesta segunda-feira em Santos, SP
Arquivo Pessoal
Após três meses internada, Rosa Maria Soares Esteves, de 68 anos, venceu a Covid-19 e recebeu alta de um hospital em Santos, no litoral paulista. “Ela é nossa guerreira. Antes [de se contaminar], os últimos exames mostravam que ela tinha apenas 25% do pulmão funcionando e já fazia uso de oxigênio”, comemora a filha Carla Esteves Lourenço, de 38 anos, durante entrevista ao G1 nesta terça-feira (15).
A alta de Rosa aconteceu nesta segunda-feira (14) e foi comemorada pela equipe médica. Segundo a filha, a idosa tem doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) há 15 anos, e faz uso de oxigênio diariamente.
A notícia de que a mãe contraiu Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, foi um choque para a família. “Me vi sem chão, pensei que ela não voltava mais”, descreve Carla, que acompanhou a mãe na primeira ida ao hospital, na primeira internação e no dia da entubação.
Por ser idosa e ter uma doença pulmonar, a filha sabia que o grau de dificuldade seria maior para a mãe. Ela relata que os médicos foram sinceros desde o início, e que o quadro era grave. “Sabíamos da dificuldade de um paciente com DPOC. As chances que eu via eram nulas”, conta. Segundo Carla, na primeira visita, a médica foi bem categórica e a mãe foi dada como uma paciente com poucas chances.
Equipe comemorou alta ao lado de familiares
Arquivo Pessoal
“Aquilo foi um choque. Naquele dia, todas as minhas fichas foram embora. Mas, depois, eu pensei ‘vou continuar acreditando’, e falava para ela acreditar, porque ela é uma guerreira e iria sair dali. Então, ela venceu a Covid, saiu da UTI”, relata Carla.
A filha relata que a família fez correntes de oração junto a amigos. Ao sair da UTI, ela diz que passou a acompanhar mais de perto, já que poderia visitá-la. Depois de algumas semanas, recebeu a notícia de que a mãe receberia alta.
“Foi uma alegria enorme, como se eu tivesse ganhado na loteria. Sabe aquele prêmio que você espera muito? É a mesma sensação. Digo que ela é a Mulher-Maravilha, por ser guerreira e passar por tudo. [Minha mãe] já teve um câncer de mama, venceu, mesmo com a DPOC, conseguiu vencer a Covid, e está aí firme e forte”, comemora.
A alta da paciente foi comemorada pela equipe médica junto a familiares. Por ter passado um período longo de internação, ela precisou sair de ambulância, ainda na maca. Segundo Cláudia, o processo de recuperação ainda é longo, e será necessário muito apoio em casa. A idosa permanece com a traqueostomia, e a continuidade do tratamento será feita em sua residência.
Rosa já precisava de oxigênio por conta da doença pulmonar
Arquivo Pessoal
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Segundo o Ministério da Saúde, a DPOC é uma doença pulmonar que obstrui as vias aéreas, dificultando a respiração. O principal sintoma é falta de ar em atividades que requerem esforço, até as mais corriqueiras.
A DPOC não tem cura, mas os tratamentos disponíveis podem retardar a propagação da doença, controlando sintomas e reduzindo possíveis complicações. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, há 210 milhões de pessoas em todo o mundo com a doença pulmonar obstrutiva crônica.
Leitores On Line