Homem que danificou sorveteria em confusão por máscara diz que foi agredido, mas reconhece exagero: ‘Deveria ter engolido minha raiva’


Vendedor Rodrigo Farias Ferronato afirma ter chutado objetos para ‘extravasar a raiva e não agredir’ a comerciante. Caso ocorreu no bairro Flamboyant, em Campinas (SP). Homem se revolta com comerciante após pedido para usar máscara em sorveteria de Campinas
O homem que foi gravado danificando uma sorveteria após uma discussão sobre o uso correto de máscara, no bairro Flamboyant, em Campinas (SP), afirmou à EPTV, afiliada da TV Globo, que foi agredido momentos antes da gravação. Rodrigo Ferronato reconhece, no entanto, que teve uma reação exagerada.
“Acho que esse tipo de atitude minha eu poderia não ter feito. Eu deveria ter engolido a minha raiva e ter saído da sorveteria e procurado os meios legais para me defender e cobrar do jeito que deveria cobrar”, analisa o vendedor.
De acordo com a dona do estabelecimento, a confusão começou após ela pedir para que o homem cobrisse o nariz com a máscara, que estava apenas no queixo. Ferronato, no entanto, garante que a máscara que utilizava cobria tanto o nariz quanto a boca.
“Foi uma agressão totalmente descabida […] Eu acho que a medida que eu fiz foi extravasar minha raiva e não agredir ela. Ela me agrediu, ela me bateu, e eu não fiz isso com ela. Por que eu apanhei? Essa é a pergunta,” questiona Ferronato.
‘Foi uma agressão totalmente descabida’, diz Rodrigo Farias Ferronato
Reprodução/EPTV
Agressões verbais
Após a proprietária se recusar a vender o produto ao homem, ele começou uma sequência de agressões verbais, chamando a funcionária de “palhaça”, “lixo”, apontando o dedo constantemente e falando uma série de palavrões e ameaças.
“Faz alguma coisa comigo para você ver se eu não meto a mão na sua cara. Fala um ‘a’ para você ver o que você vai arrumar. Fica olhando aí que você vai ver o que você vai arrumar. Está achando que é comédia aqui? Você não sabe onde você está não”, disse Rodrigo Ferronato, em vídeo gravado por um dos clientes.
Outra versão
Em contraponto, o vendedor diz que foi agredido momentos antes da gravação. “Eu tomei um soco na barriga, eu fui agredido cinco vezes, em dois momentos diferentes, com empurrões, tapas e socos. Após isso, eu tive uma reação na qual eu desferi um chute na cadeira. Qual é a desproporção disso?”, questiona.
“Como o vídeo veio na internet, o pessoal viu aquela parte, então eu estou como monstro, né. Só que a verdade tem dois lados. […] Eu tive que desabilitar meu Facebook, meu Instagram… meu WhatsApp é mensagem de ameaça de morte dia e noite”, conta Rodrigo Ferronato.
Em 2019, o vendedor foi condenado pela Justiça Federal de Jaú (SP) por ameaça e denunciação caluniosa contra uma médica perita do INSS. Segundo o processo, a pena aplicada foi de prestação de serviços comunitários e pagamento de cestas básicas a entidades sociais, mas ele entrou com recurso.
A EPTV tentou entrar em contato com Rodrigo Ferronato sobre o processo, mas não obteve retorno. A proprietária da sorveteria informou que vai registrar um boletim de ocorrência. Imagens da câmera de segurança também serão entregues à polícia.
Caso ocorreu em sorveteria do bairro Flamboyant, em Campinas
Reprodução/EPTV
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.
Leitores On Line