Doença terminal

.cls-1{fill:none;}.cls-2{clip-path:url(#clip-path);}

Reprodução

Homem com doença incurável transmitirá ao vivo sua morte no Facebook

O francês Alain Cocq,
de 57 anos, que sofre de uma doença incurável, extremamente rara e ainda sem nome, decidiu abandonar os tratamentos e transmitir os últimos momentos de sua vida neste sábado (5), ao vivo, no Facebook.

Leia também

  • Mãe é morta com golpes de canivete pelo ex na frente da filha do casal
  • Primeiro-ministro do Japão renuncia por motivos de saúde após oito anos no cargo
  • Idoso que se curou da Covid-19 canta para celebrar alta hospitalar

A doença que Alain tem faz com que faz as paredes de suas artérias se colam, causando uma parada, ou insuficiência da circulação sanguínea,
em um tecido, ou órgão.

O paciente chegou a mandar uma carta para o presidente da França,  Emmanuel Macron,
para autorizar ele a receber uma sedação profunda, algo que a lei francesa não permite. 

A autorização, entretanto, não veio. O presidente do país alegou que não está acima das leis vigentes e que, por isso, não poderia atender o pedido de Alain. “Como não estou acima da lei, não posso concordar com sua exigência”, disse Macron. 

Com a negativa do presidente, ele resolveu agora não esperar mais. “Meus intestinos esvaziam em uma bolsa. Minha bexiga esvazia em uma bolsa. Não posso me alimentar, então eles me alimentam como um ganso, com um tubo no meu estômago. Não tenho mais uma vida decente”, disse ele. 

Alain Cocq afirmou que não vai mais se alimentar ou fazer qualquer tipo de procedimento para controlar a doença e que vai transmitir tudo em sua página pessoal do Facebook, ao vivo, para que as pessoas vejam seus últimos momentos. 

A ideia, segundo ele, é que, no futuro, seja adotada uma legislação que permita os cuidados no fim da vida para evitar “sofrimento desumanos”.

    Leia tudo sobre:

    div#taboola-below-article-thumbnails{padding-top: 20px;}.ig-taboola{padding: 0 0px;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm{margin-top: 5px !important;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span{border-bottom: 4px solid;}.ig-taboola .trc_rbox_border_elm .trc_rbox_header_span:after{content: “”;position: absolute;display: block;border-bottom: 1px solid;margin-top: 2px;width: 100%;}.iG_componente_taboola_containerTitulo{margin-bottom: 2.2rem;position: relative;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title{font-size: 3.18rem;color: #000;text-transform: uppercase;font-weight: 300;border-top: 8px solid #000;padding-top: 8px;width: max-content;}.iG_componente_taboola_containerTitulo .iG_componente_taboola_containerTitulo_title::before{content: “”;display: block;border-top: 1px solid #d4d4d4;position: absolute;width: 100%;top: 0;}

    Veja Também

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘organic-thumbs-feed-02-mp’,container: ‘taboola-most-popular-thumbnails’,placement: ‘Most Popular Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    window._taboola = window._taboola || [];_taboola.push({mode: ‘thumbnails-b’,container: ‘taboola-below-article-thumbnails’,placement: ‘Below Article Thumbnails’,target_type: ‘mix’});

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      carregando

      Comentários

      if (/saudebucal/gi.test(window.igChannel) === false){if(document.querySelector(‘meta[name=”iG-noticia-comentarios”]’).content == ‘true’){document.write(‘loading‘);var dataHref = location.href.split(‘?’)[0];document.querySelector(‘#widget-comments’).innerHTML += ‘

      ‘;var checkFBCommentsLoaded = setInterval(function(){if(document.querySelector(‘.fb-comments’).getAttribute(‘fb-xfbml-state’) == ‘rendered’){document.querySelector(‘.fb-comments-loading’).remove();clearInterval(checkFBCommentsLoaded);}}, 100);}}