Grupo empresarial baiano compra Escola Autonomia, de Florianópolis

O grupo empresarial Bahema anunciou nesta segunda (20) a compra da Escola Autonomia, instituição particular de ensino de Florianópolis. O acordo entre as partes foi firmado em cerca de R$ 29,4 milhões. Desse montante, foi deduzida a dívida líquida da escola, cujo valor não foi informado. A Bahema já pagou 10% do valor no início do mês. O restante será pago em 36 meses.

Situada na rua Salvatina dos Santos, no bairro Itacorubi, a Escola Autonomia foi fundada em 1991 por um grupo de professoras que buscavam construir uma instituição diferenciada, com princípios humanistas e propostas pedagógicas criativas.

Em 2010, uma tragédia marcou a história da escola, quando o estudante Caio Camargo Rosa, de 14 anos, morreu ao ser atingido por uma lage que despencou sobre ele.

Atualmente, a escola atende do Ensino Infantil ao Ensino Médio, onde se notabilizam projetos como o Núcleo de Tecnologia e Comunicação, que reafirma o compromisso com a inovação nos processos educativos, e o Projeto Transdisciplinar, que consolida a abordagem voltada à construção de valores.

(Foto: divulgação)(Foto: divulgação)

Fundado na Bahia em 1953 por Afranio Affonso Fereira, o grupo Bahema se destacou no mercado nacional como uma empresa de comercialização de implementos agrícolas. Na década de 80, incentivada pelo então Diretor Financeiro Guilherme Affonso Ferreira, a empresa passou a aplicar em participações em empresas abertas e negociadas em bolsa de valores, o que acabou se tornando o principal negócio da Bahema. Casos como Unibanco, Manah e Metal Leve, entre outros, geraram retornos excepcionais, superiores a 50% ao ano.

Em 2016, com o aval do Conselho de Administração, uma nova diretoria da Bahema assume a companhia e passa a analisar oportunidades de investimentos em Educação Básica. Em 2017, surgem as primeiras participações no setor: Escola Balão Vermelho/Colégio Mangabeiras, em Belo Horizonte/MG, Escola Parque, no Rio de Janeiro/RJ e Escola da Vila, em São Paulo/SP.

Ainda em 2017, a Bahema passa a investir e torna-se sócia da Escola Mais. Em 2018, a empresa realiza uma colaboração com a Escola Viva (São Paulo/SP), adquirida pela Bahema em 2020.  Ainda em 2018, cria o grupo “Critique”, que promove o intercâmbio de boas práticas e fomenta a produção de conhecimento entre as escolas.

Em 2019, a Bahema fica sócia do Centro Educacional Viva, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro/RJ, e anuncia a aquisição do Fórum Cultural, em Niterói/RJ.

O Colégio BIS, na Zona Sul de São Paulo/SP, começa a compor o núcleo de escolas na Bahema em outubro, sendo a primeira instituição bilíngue do grupo. Além do BIS, o Colégio Apoio, instituição sócio construtivista de Recife/PE, começa a integrar o corpo de escolas da Bahema Educação e o grupo Critique.

A|té outubro de 2021, a Bahema irá realizar uma assembleia geral para que os acionistas ratifiquem a transação. O laudo de avaliação está em fase de elaboração e, caso aplicável, a empresa irá informar sobre o direito de retirada aos dissidentes.

Com Agências