Greve dos entregadores de aplicativo atinge ao menos 7 estados

Entregadores de aplicativos protestos pelas ruas de Belo Horizonte solicitando aumento do repasse aos entregadores, suspensão dos bloqueios aleatórios e auxílio financeiros das empresas em caso de trabalhadores acidentados ou contaminados pela Covid-19. Foto de 1 julho de 2020.

Os trabalhadores pedem equipamentos de proteção contra a pandemia, licença remunerada para quem for contaminado pelo coronavírus, fim dos bloqueios indevidos nas plataformas, melhor remuneração, seguro de roubo, acidente e vida.

De acordo com levantamento do G1, foram registradas mobilizações nas seguintes cidades: Aracaju (SE), Belo Horizonte (MG), Campinas (SP), São Paulo (SP), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA).

Em nota, a Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia, entidade que reúne aplicativos de entrega como iFood e Uber, afirmou que a participação nos atos de hoje “não acarretará em punições ou bloqueios”. “As plataformas de delivery operam sistemas dinâmicos e flexíveis, que buscam equilibrar as necessidades de entregadores, de restaurantes e de usuários”, afirma a entidade.

Uma das lideranças da greve é Paulo Roberto da Silva Lima, conhecido como Galo. Em sua rede social, ele pede que as pessoas não façam pedidos nas plataformas nesta quarta-feira e publicou vídeo em que afirma: “Os caras não valorizam a força de trabalho. Vou falar uma verdade para vocês, existe força de trabalho sem patrão. Não existe patrão sem força de trabalho.”

 

COM AGÊNCIAS