Um ônibus metropolitano da linha 5500, que liga os bairro Morro Alto e Serra Dourada, foi queimado na noite dessa segunda-feira (15) em Vespasiano, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Esse é o quarto veículo incendiado em menos de uma semana na Grande BH.

Segundo a Polícia Militar (PM), o ataque ocorreu por volta das 23h50. O motorista do coletivo relatou aos agentes que foi abordado por dois bandidos, que teriam pedido que ele descesse. Em seguida, incendiaram o ônibus. A dupla deixou com o funcionário um bilhete que expõe a suposta motivação do crime. O ato seria um protesto por melhor tratamento aos detentos da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem.

Ninguém ficou ferido. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o combate às chamas consumiu dois mil litros de água.

Megaoperação

Na manhã desta terça (15), a PM lançou uma operação para enfrentar os protestos. Intitulada de Fênix, a ação foi iniciada hoje e conta com mais de 100 militares de diversos batalhões do o vetor Norte, 40 viaturas e e apoio aéreo do helicóptero Pegasus. A empreitada terá ainda participação  de efetivos do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), Comando de Policiamento da Capital (CPC) e da Aviação do Estado (COMAVE).

“Objetivo é realizar saturação na região metropolitana, com intuito de reprimir esse tipo de crime. Vários policiais, o pessoal do choque, do caveirão, vão fazer batidas policiais, incursões, para que a gente possa prevenir, para que não ocorram mais episódios e que possamos prender os envolvidos”, explicou o major Rafael Coura Cavalcante, chefe da Seção de Comunicação do CPC.

Outros ataques

Antes do 5500, queimado esssa segunda (14), criminosos haviam ateado fogo em um veículo da linha 705, que faz o trajeto Solimões-Estação São Gabriel. Três homens abordaram o ônibus, roubaram os passageiros e exigiram que todos saíssem antes de incendiar o coletivo.

Um dia antes, na sexta-feira (11), um coletivo da linha 825 (Estação São Gabriel / Vitória II via UPA Nordeste) também foi atacado. Desta vez, por oito criminosos armados, que cercaram o ônibus com dois carros. Eles pediram que os passageiros e o motoristas saíssem. Pouco depois, jogaram gasolina no automóvel. As chamas chegaram a se espalhar em uma mata.

O primeiro registro de incêndio em veículo é do dia 9 de setembro, no Bairro Jardim Vitória, na Região Nordeste da Capital. Três homens renderam o motorista da linha 5502 C (Pousada Santo Antônio), mandaram que ele se retirasse e atearam fogo no veículo. O trio disse que estava a serviço de presos da Nelson Hungria.