Feminicídios são mais de 32% dos assassinatos de mulheres no 1º semestre de 2020, na PB


Ao todo, 46 mulheres foram mortas por crimes letais intencionais em toda Paraíba. Do total, 15 casos estão sendo investigados como feminicídios.

No primeiro semestre de 2020, 46 mulheres foram mortas por crimes letais intencionais em toda a Paraíba. Do total, 15 casos estão sendo investigados como feminicídios. O número representa 32,6% dos assassinatos de mulheres. Essa proporção é menor do que o mesmo período do ano de 2019, quando 32 mulheres foram assassinadas e 17 casos foram tratados como feminicídios, representando 53% do total. Os dados são da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social (Seds), solicitados pela Lei de Acesso à Informação.
Feminicídio é o assassinato de uma mulher cometido devido ao fato de ela ser mulher ou em decorrência da violência doméstica. Foi inserido no Código Penal como uma qualificação do crime de homicídio em 2015 e é considerado crime hediondo.
Em relação ao assassinato de mulheres, o mês mais violento foi o de janeiro, quando 11 mulheres foram mortas. Um caso está sendo investigado como feminicídio. Importante destacar que, no decorrer dos meses do ano, outro caso investigado como feminicídio foi adicionado no mês de janeiro, mas em junho ele foi descartado.
Apesar disso, maio foi o mês que mais registrou feminicídios, com cinco casos em investigação, representando 50% do total de mulheres assassinadas (10) no mês. Nas estatísticas divulgadas sobre o mês de maio, quatro casos estavam em investigação, isto é, um caso foi acrescentado nas investigações da Polícia Civil após o fechamento das estatísticas anteriores.
Proporcionalmente, abril foi o mês com maior número de feminicídios com relação aos casos de mulheres assassinadas. Do total de sete crimes violentos contra mulheres, 4 deles são investigados como feminicídio, o que representa um percentual de 57%. Os outros três casos são homicídios dolosos, que podem ter outras motivações.
Relação com 2019
Em relação a 2019, o número de feminicídios diminuiu em dois números absolutos. Enquanto em 2020 15 casos foram registrados nos primeiros seis meses do ano, em 2019 foram 17 feminicídios em investigação, uma diminuição de 11,7%.
No entanto, o número de mulheres assassinadas no primeiro semestre cresceu em relação a 2019. Ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. O número aumentou 43,7%, chegando a 46 casos de mulheres mortas na Paraíba.
Casos que marcaram o semestre
No dia 9 de janeiro, uma mulher de 21 anos e um homem de 29 anos foram encontrados mortos em uma residência no município de Puxinanã, no Agreste paraibano. Segundo a polícia, os corpos foram encontrados pelo marido da mulher.
O caso pode estar sendo investigado como feminicídio, tendo em vista que, de acordo com as informações do marido da vítima à Polícia Civil, há alguns dias ele havia descoberto que ela tinha um caso extraconjugal. Após uma conversa, o casal decidiu seguir com o relacionamento. A hipótese que a polícia investiga é a de que a vítima teria tentado acabar o caso extraconjugal e o amante não teria aceitado, cometendo o feminicídio seguido de suicídio.
Em fevereiro, no dia 20, uma jovem de apenas 19 anos foi encontrada morta dentro de casa, na cidade de Patos, no Sertão paraibano. De acordo com informações da Polícia Militar, ela teria sido morta na frente do seu filho, de apenas um ano de idade, que foi encontrado ao lado do corpo da mãe.
De acordo com a família da vítima, ela estaria grávida. A polícia contou que ela foi atingida por vários golpes de faca. O suspeito do crime é o ex-companheiro da vítima.
Circuito de segurança de pousada mostra homem suspeito de matar mulher, na Paraíba
TV Paraíba/Reprodução
Outro caso, que aconteceu no dia 19 de maio, aconteceu dentro de uma pousada na cidade de Marizópolis, Sertão da Paraíba. A vítima foi identificada como Lúcia Suelen da Silva Sampaio, de 28 anos, natural do Ceará. Ela e um homem estavam hospedados há três dias no local e na madrugada do dia 19 de maio foram ouvidos os disparos.
O assassinato de Lúcia Suelen Sampaio da Silva está sendo investigado pela polícia como feminicídio. O único suspeito do crime, de aproximadamente 40 anos, teria um relacionamento amoroso com ela, de acordo com a Polícia Civil. Após os tiros, o homem fugiu a pé do local com uma arma na mão. No quarto, a vítima foi encontrada sem roupa e caída ao chão.

Com Agências