Fã do Samu, moradora de Bauru recebe visita surpresa da equipe de resgate


Lucimara, que tem deficiência intelectual, tinha o sonho de rever a ambulância desde que machucou a perna e precisou ser atendida, há sete anos. ‘Não tenho como agradecer. Cada um tem um sonho e o sonho dela era o Samu’, comenta a mãe. Mulher com deficiência mental que se encantou com atendimento do Samu recebe visita da equipe em Bauru

Uma moradora de Bauru (SP), de 43 anos, recebeu uma visita surpresa de uma equipe de resgate do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) nesta sexta-feira (10).
Desde que machucou a perna, há sete anos, e precisou ser socorrida pela ambulância, Lucimara Pascollato, que tem deficiência mental, encantou-se pelo barulho da sirene e passou a falar constantemente sobre o serviço.
A história comoveu Alexandre Previdello, que faz trabalho voluntário na Casa da Sopa da Vila Dutra e foi até a casa de Lucimara para entregar alguns alimentos. Ao chegar lá, ficou sabendo da paixão que a moradora tem pelo serviço.
“A primeira palavra que ela falou para mim foi ‘Samu’ e eu fiquei meio sem entender. Eu falei que não era o moço do Samu, achei que era porque eu estava de máscara”, lembra Alexandre.
Lucimara ganhou boneco do Samu após visita em Bauru
Arquivo pessoal/Alexandre Previdello
Depois de conhecer a história da moradora, o voluntário decidiu organizar uma visita da ambulância à casa de Lucimara. Ele fez um vídeo dela falando sobre o Samu em um microfone que tem em casa e gravou um áudio, emocionado, contanto a situação.
“Saí de lá em prantos, chorando demais, me comoveu muito. E aí eu fiz contato com a Casa da Sopa e disse que precisava ajudar o sonho de uma garota que mexeu muito comigo”, conta Alexandre.
O áudio do voluntário chegou aos profissionais de saúde que, segundo a enfermeira Patrícia Iolanda Antunes, abraçaram imediatamente a ideia de fazer a surpresa.
“Na época de epidemia, a gente tem trabalhado muito, temos medo de adoecer, medo de trazer o vírus para nossa casa, e no meio de tudo isso, a gente encontrar uma pessoa que tem tanto amor no nosso trabalho, a gente não pensou duas vezes. A gente está indo para homenagear a Lucimara, mas é ela quem está nos homenageando. É uma troca de carinho”, comenta a enfermeira.
Moradora de Bauru recebeu visita especial do Samu nesta sexta-feira (10)
Arquivo pessoal/Alexandre Previdello
O grupo chegou na casa da Lucimara na tarde de sexta-feira, com a sirene da ambulância ligada. Ela ganhou de presente um boneco do Samu, vários brindes e a oportunidade de passear na ambulância.
“Quando ouvi ele apitando, eu fiquei pensando: ‘é ele, é ele’. Eu amo o Samu”, se encantou a moradora.
A mãe de Lucimara, Antônia Costa, ficou grata pela surpresa da equipe, que realizou o sonho da filha e a proporcionou um momento especial.
“Eu fico muito feliz, não tenho como agradecer vocês, a equipe do Samu. Era o sonho dela, ela sempre falava de Samu. Ela queria [ter contato], não pode ver passar na rua. Cada um tem um sonho e o sonho dela era o Samu”, admite a mãe.
Cuidados na pandemia
Lucimara se encantou ao conhecer os detalhes da ambulância do Samu em Bauru
Arquivo pessoal/Alexandre Previdello
Por causa da pandemia de coronavírus, a equipe utilizou máscaras e higienizou a ambulância antes da homenagem. Além disso, orientou a dona Antônia a colocar máscara na Lucimara. A enfermeira Patrícia explicou que foram tomados os mesmos cuidados de um atendimento de saúde.
“Na verdade é como se a gente tivesse indo atender na casa da Lucimara, mas não atender uma doença física, atender uma necessidade emocional”, explica.
O médico Guilherme Tripoli, que é diretor de divisão do Samu, participou da visita e ficou contente em poder ajudar a realizar o sonho da Lucimara.
“É uma história muito feliz. Quando recebi o vídeo dela pelo WhatsApp, é um sonho tão simples e fácil de realizar. A gente percebe que é uma felicidade para a gente e para todos. Claro que com o Covid não pode abraçar nem ter o calor da aproximação, a gente queria ter sido mais humano, mas fiquei muito contente”, declara o profissional.
Para o voluntário Alexandre, a iniciativa também demonstrou a importância dos profissionais de saúde na sociedade, agora intensificada no combate ao coronavírus. A equipe atendeu a Lucimara uma vez quando ela machucou a perna e a marcou por muitos anos.
“Levei um tapa, acordei para a vida. É o amor que eles têm pela vida e principalmente neste momento da pandemia. Eles foram lá só um dia e mexeram com ela. Quando falava do Samu, ela apontava para a perna dela. Então ela sabe que é uma ajuda mesmo, né? E eles são carinhosos, isso que deve ter encantado ela”, admite o voluntário.
* Colaborou sob supervisão de Eduardo Ribeiro Jr.

Com Agências