requestAnimationFrame(function ()
{
setTimeout(function ()
{
window._perfMarker && window._perfMarker(“TTVR.ArticleContent”, true, true);
define(“c.articleContent”, 1);
}, 0);
});




© Reuters/Dado Ruvic
.

Por Kate Kelland

LONDRES (Reuters) – Setenta e seis países ricos estão empenhados em aderir a um plano global de alocação de vacinas contra a Covid-19, coliderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que visa ajudar a comprar e distribuir os imunizantes de forma justa, informou um co-líder do projeto nesta quarta-feira.

Seth Berkley, presidente-executivo da aliança de vacinas Gaiv, disse que o plano conhecido como Covax agora tem Japão, Alemanha, Noruega e mais de 70 outras nações concordando, em princípio, em adquirir vacinas contra Covid-19 por meio do dispositivo para suas populações.

“Temos, no momento, 76 países de renda média alta e alta que enviaram confirmações de intenção de participar — e esperamos que esse número suba”, disse Berkley em entrevista à Reuters. “Esta é uma boa notícia. Mostra que o dispositivo Covax está aberto para negócios e está atraindo o tipo de interesse em todo o mundo que esperávamos”, afirmou.

Os coordenadores do Covax estão em negociações com a China sobre a possibilidade de o país também aderir, segundo Berkley.

Co-liderado pela GAVI, a OMS e a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI), o Covax é projetado para desencorajar os governos nacionais de acumular vacinas contra a Covid-19 e para que se concentrem em primeiro vacinar as pessoas de maior risco em cada país.

Os defensores da iniciativa dizem que essa estratégia deve levar a custos mais baixos da vacina para todos e um fim mais rápido da pandemia, que já custou cerca de 860.000 vidas em todo o mundo.

O Brasil já anunciou interesse em participar do programa.

Leia Mais