Empresas que sonegaram cerca de R$ 450 milhões em ICMS são alvo de operação da Receita, em MG

A Receita Estadual estima que, somente em 2019 e 2020, as empresas emitiram cerca de R$ 2,5 bilhões em notas fiscais possivelmente falsas. Receita estadual investiga sonegação de quase meio bilhão de reais
Empresas abertas em Minas Gerais por “laranjas” para sonegação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) estão na mira da Receita Estadual. A segunda fase da operação Noteira, para identificar estas empresas, foi realizada nesta quarta-feira (16).
Os alvos da operação são 61 estabelecimentos em 38 cidades, sendo quatro delas na Grande BH: Contagem, Betim, Juatuba e Mário Campos. São empresas dos segmentos de metalurgia, transporte de cargas, calçados, pneus, alimentos e bebidas.
A Receita Estadual estima que, somente em 2019 e 2020, as empresas emitiram cerca de R$ 2,5 bilhões em notas fiscais possivelmente falsas. Um total de R$ 450 milhões em ICS foram sonegados.
Os auditores fiscais estão indo a cada uma das empresas para confirmar se existem. Confirmado que são de fachada, terão as inscrições estaduais canceladas. Além disso, a Receita vai publicar atos declaratórios de falsidade ideológica dos documentos emitidos pelas empresas e exigir o pagamento de imposto sonegado.
Primeira fase da operação “Noteira”
A primeira fase da operação “Noteira” foi realizada em fevereiro deste ano, quando foram fiscalizadas 89 empresas em 56 municípios. Ao todo, 66 estabelecimentos tiveram as inscrições estaduais canceladas.
Leitores On Line