Edmundo nega rejeição ao filho por homofobia: “Tenho até amigos que são”

Edmundo e Alexandre Mortágua

Edmundo narra detalhes do filho fora do casamento, algumas polêmicas, seu acidente e negou que o distanciamento do filho (contado nas redes pelo próprio Alexandre): “É muito ruim você se indispor com alguém, sem ser diretamente. Eu tive uma história muito rápida com a mãe do Alexandre em termos de afinidade e afetividade” (como se justificasse não ser próximo ao filho).

Querido Edmundo, muitíssimo obrigado pela entrevista, foi reveladora. Um beijo. Todas as lives estão disponíveis no meu canal do YouTube: Felipeh Campos Oficial

A post shared by 🎙Felipeh Campos 🦩💍 (@felipehcampos) on Sep 1, 2020 at 5:32pm PDT

Edmundo continua: “Num momento em que minha carreira estava em ascensão, o Alexandre nasceu, eu joguei na Itália, no Japão, Belo Horizonte e Florianópolis e não consegui muito ver o crescimento dele”, disse o ex-jogador agora comentarista de TV.

“Isso é irrelevante, mas vai afastando. E aí, quando voltei para o Rio, Alexandre era um homem e eu não consegui me aproximar”, explicou. “Não sou assim um pai maravilhoso para ele, porque eu trabalho, viajo e gosto de fazer as minhas coisas. Mas sempre encontrei resistência”.

Edmundo alega que ama de forma igualmente a todos os seus filhos e que seus filhos frequentam sua casa em datas comemorativas como dia dos pais e Natal, aniversário, e que não existe esse distanciamento entre os outros por parte dele.

O apresentador enfatiza que ficou rico jogando futebol sim e que nada faltou para seus filhos, independentemente de sexualidade deles: “Eu tenho diversos amigos homossexuais, muitos deles famosos. E eu não tenho nenhum problema com isso. Até porque é a ideia de cada um. É algo particular. Na vida, a gente tem que ser homem e ter respeito aos mais velhos. E isso é independente da relação sexual”.

Ele dá a justificativa final: “Essa questão da sexualidade veio. Mas para mim isso não tinha importância. Nós já éramos distantes desde que ele nasceu. Não pude exercer meu poder de pai, porque eu joguei fora e precisava construir a minha vida”.

Lembramos que Alexandre só teve sua paternidade reconhecida mediante teste de DNA e não tem contato com o pai há mais de 9 anos.