Economista argentino desmente Folha, que apontou desabastecimento em supermercados de Buenos Aires

A Folha de São Paulo deu a sua contribuição – através da reportagem “Produtos somem das lojas na Argentina após congelamento” – para aumentar a onda de boatos e notícias falsas que a extrema direita global tem produzido para atacar o governo de Alberto Fernández, que completou dez meses no cargo na última quinta-feira (10).

O economista Sergio Chouza, professor da Universidade Nacional de Avellaneda (UNAv), criticou a reportagem. “É absurdo o que [a materia] sugere. Na Argentina não há desabastecimento. Inclusive sugeriram isso antes do início da pandemia, para insuflar medo, e não aconteceu absolutamente nada”, enfatizou o economista.

“Sempre pode haver algum produto de nicho que, por determinado motivo, sofra algum efeito temporal que cause a sua falta, mas somos uma economia com 45 milhões de pessoas e dezenas de milhares de produtos diferentes. Não se pode falar de desabastecimento por algum produto em particular”, complementou Chouza, que ainda informou que “os indicadores de inadimplência do sistema financeiro estão quase voltando aos níveis anteriores ao da pandemia”.

Sérgio Chouza

Leitores On Line