Diário de um ninho: após meses, casal de carcarás continua na construção do abrigo


Aves de rapina seguem se dedicando ao ninho feito na janela em São Luís (MA). Família observa todos os detalhes de perto; veja novas imagens. Carcarás constroem ninho em varanda e chamam atenção pela ‘demora’ em finalizar a obra
No final de julho o Terra da Gente exibiu uma reportagem sobre um casal de carcarás que construiu um ninho na janela de um apartamento em São Luís, no Maranhão. As aves de rapina foram notadas pela moradora Mariana Carvalho, após encontrar um emaranhado de galhos grudado no vidro do escritório.
Depois de descobrirem que o ninho gigante era de um casal de carcarás, a família passou a observar mais detalhes da espécie que visita diariamente o local, levando gravetos e até arames. “Até hoje eles constroem o ninho, acredita? Levam vários galhos, continua a mesma rotina, nada mudou eles vão pela manhã e tarde e ainda trazem gravetos”, comenta a moradora.
As visitas das aves são diárias e, sempre que pode, a família registra os inquilinos selvagens com o celular. Uma película colocada no vidro da janela inibe a visão dos rapinantes para o movimento dentro da casa, com isso é possível observá-los de perto sem incomodar. A estratégia permitiu flagrar, inclusive, a ave se alimentando de um peixe.
Estudos indicam que a construção do ninho costuma levar até quatro semanas
Mariana Carvalho/Arquivo Pessoal
De acordo com o ornitólogo Willian Menq, o fato de ainda estarem trabalhando no ninho surpreende, afinal, nessa espécie o período estimado para a construção da estrutura é de duas a quatro semanas. “Nesse caso em questão o casal está há mais de seis semanas trabalhando, tempo acima do que costumamos considerar. No entanto, pelos relatos é possível notar que a fêmea intensificou a presença no ninho, inclusive dormindo no local, e esse é um comportamento de pré-postura, ou seja, se tudo correr bem, em breve ela fará a postura dos ovos”, diz.
O especialista destaca que essa é uma oportunidade importante de estudar características do carcará, ave ainda pouco conhecida pelos especialistas. “Mesmo sendo uma ave comum, a maioria das informações existentes sobre a biologia reprodutiva são de artigos de outros países. Para saber o que realmente vai acontecer e, se de fato a fêmea fará a postura nos próximos dias, o jeito é aguardar”.
As observações e relatos feitos pela família ao longo desse ciclo reprodutivo dos carcarás podem, portanto , ajudar a decifrar alguns enigmas dessa ave tão popular, mas que ainda guarda alguns segredos. “Essa experiência agregará novas informações ao conhecimento da espécie. É um belo exemplo de ciência cidadã”, finaliza.
O casal leva gravetos e arame diariamente para o ninho, durante a manhã e no período da tarde
Mariana Carvalho/Arquivo Pessoal
Hábitos reprodutivos
Mesmo em sites especializados sobre as aves do Brasil e livros de ornitologia é difícil encontrar dados concretos de quanto tempo o carcará se dedica na construção do ninho. O que se sabe, por exemplo, é que a ave põe de uma três ovos, que ficam incubados por quase 30 dias. “Depois que nascem, os filhotes permanecem dependentes dos pais por cerca de três meses. Para arriscar os primeiros voos a idade varia entre 40 e 60 dias de vida”, detalha Menq, que destaca ainda a relação entre macho e fêmea.
“Essa construção conjunta do ninho é uma maneira de fortalecer os laços do casal. Eles possuem laços fortes, permanecem juntos por muito tempo e, até quando é feita a postura, se revezam na incubação, comportamento que na maioria das aves de rapina é exclusivo da fêmea”, conclui.
A divisão de tarefas é comprovada pelas observações de Mariana Carvalho. “Quando um sai para buscar mais material o outro chega para arrumar os galhos no ninho. Pela manhã o trabalho é mais intenso, mas a tarde continuam na função de trazer mais coisas. Também observamos que, apresar de não morarem no ninho, aquela área toda ali dos prédios é deles. Os dois sobrevoam a região e ficam nos prédios, próximos das antenas”, relata.
Veja também
A primeira reportagem do ‘Diário de um ninho’
Curiosidades sobre o carcará
Leitores On Line