Deputados criticam desativação da emergência pediátrica do Regional

O anunciado fechamento da ala pediátrica do Hospital Regional de São José repercutiu entre os deputados na sessão desta terça-feira (4) na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

– A desativação dos serviços certamente trará riscos para desorganização do atendimento pediátrico na região, o Hospital Joana de Gusmão ficará ainda mais sobrecarregado. Não é fácil encontrar soluções para tudo, mas quero alertar para dificuldade de atendimento às crianças e adolescentes, que geraria mais angústia -, ponderou Doutor Vicente Caropreso (PSDB).

– Quero me associar a sua fala no sentido da preocupação com os reflexos negativos decorrentes do fechamento da emergência pediátrica do Hospital Homero de Miranda Gomes -, opinou Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde.

(Foto: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL)(Foto: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL)

Já Ada de Luca (MDB) pintou um quadro assustador relativamente à gestão do coronavírus.

– Falta diálogo do governador com os municípios; faltam ações regionalizadas; há demora na liberação de recursos do estado e na ativação dos leitos de UTI; tem sobrecarga no sistema de saúde; faltam profissionais da saúde, anestésicos, insumos; enfim, falta planejamento -, avaliou Ada.

A deputada criticou a centralização dos testes de Covid no Laboratório Central (Lacen), em Florianópolis, e denunciou que há cerca de 11 mil testes represados que poderiam ser feitos na região em que reside a pessoa testada. Ada também cobrou do governador interlocução com Brasília, assim como a participação do Ministério da Saúde na gestão da pandemia em Santa Catarina.

– Não adianta reclamar do Ministério da Saúde, temos de ir a Brasília, o governador precisa sentar com o ministro e com o secretário, precisamos do apoio técnico do Ministério, só dinheiro não resolve -, reconheceu a representante do Sul.

(Foto: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL)(Foto: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL)

Por outro lado, Marcius Machado (PL) defendeu a distribuição de kits de vitaminas para aumentar a imunidade da população.

– Quais são os suplementos que a rede pública destina às pessoas que queiram usar? Entendemos a necessidade de aumentar a imunidade, hoje os alimentos, as frutas e verduras não possuem todos os nutrientes que precisamos -, afirmou Machado, citando os casos de vitaminas A, C, cloreto de magnésio e ômega 3.